sábado, março 01, 2008

Justiça A quebra do sigilo do caseiro chega ao STF

Hora de prestar contas

Antonio Palocci é denunciado ao STF pela 
quebra ilegal de sigilo do caseiro Francenildo


Alexandre Oltramari 

Celso Junior/AE
Abatido pelo escândalo, Palocci ainda sonha em suceder ao presidente Lula

Antonio Fernando de Souza, procurador-geral da República, denunciou na semana passada o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci pelo crime de quebra de sigilo bancário. Por ser deputado federal, Palocci tem foro privilegiado e, caso a denúncia seja aceita, ele será julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O procurador afirma que Palocci deu ordem a um subordinado, o então presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso, também acusado de quebra de sigilo, para que levantasse a ficha bancária de Francenildo Costa, testemunha-bomba contra o ex-ministro, que se defendia da acusação de freqüentar uma casa alugada por lobistas em Brasília. Francenildo era o caseiro da notória residência. Fernando de Souza relata que os extratos bancários do caseiro foram entregues nas mãos do então ministro em sua casa na noite de 16 de março de 2006.

O crime se agravaria com a entrada em cena de dois outros personagens, o jornalista Marcelo Netto, assessor de imprensa de Palocci, e a revista Época, que prestou serviço aos acusados ao publicar em seu site as informações sigilosas relativas à movimentação bancária do caseiro. Extratos telefônicos revelaram a troca de telefonemas entre Netto e a redação da revista Época nas 24 horas que antecederam a publicação. Em seu depoimento, Netto disse que as ligações nada tinham a ver com o caso do caseiro. Seriam apenas telefonemas pessoais para seu filho, um dos repórteres da revista.


Beto Barata/AE
Francenildo denunciou o ministro e foi perseguido

O ex-ministro da Fazenda era apontado como o sucessor natural do presidente Lula tamanha a credibilidade que conquistou como âncora da bem-sucedida política econômica do governo. O escândalo cortou os motores da carreira ascendente de Palocci no cenário político brasileiro. Ele era uma unanimidade até que, em março de 2006, uma reportagem de VEJA revelou que o ministro freqüentava uma casa em Brasília onde confraternizava com amigos lobistas, fantasmas de seu passado de político regional que ele não conseguira exorcizar. A temperatura do caso parecia ceder, mas acabou explodindo com a entrevista dada por Francenildo Costa a O Estado de S. Paulo. O caseiro forneceu ao jornal detalhes do que se passava no interior da casa. Tornou-se uma testemunha-bomba que, na visão dos assessores de Palocci, só poderia ser desativada pela desmoralização pública. Veio então a idéia luminosa de quebrar o sigilo da conta de Francenildo na Caixa Econômica Federal. Foi encontrado um depósito considerado suspeito (era legalíssimo) na conta do caseiro. O documento foi entregue à revista Época, que se incumbiu de lhe dar publicidade. Pronto. Estava consumado o crime que agora chega ao Supremo Tribunal Federal para exame e eventual punição dos responsáveis.


Arquivo do blog