sábado, março 29, 2008

O primeiro panelaço de Cristina Kirchner

O recado das panelas

Cristina ouve, pela primeira vez, o panelaço
que já derrubou presidentes na Argentina


Duda Teixeira

Alejandro Pagini/AFP
Argentinos protestam em Córdoba: a ira dos ruralistas chega à cidade

VEJA TAMBÉM
Exclusivo on-line
Conheça o país: Argentina

O som que um presidente da Argentina mais teme é o das panelas. Quando a economia do país foi à bancarrota, no início desta década, o barulho do panelaço promovido pelos argentinos nas ruas de Buenos Aires serviu de trilha sonora para a fuga de um presidente de helicóptero e para a queda de mais dois no intervalo de doze dias. Na semana passada, pela primeira vez desde que herdou a faixa do marido, há três meses, Cristina Kirchner viu-se atormentada pela batucada metálica. Néstor Kirchner, seu antecessor, passou quatro anos na Casa Rosada, a sede do governo, sem ter seu sono perturbado pelo barulho de panelas. As manifestações da semana passada foram as maiores desde o conturbado período de 2001 e 2002. Bloqueios paralisaram estradas, prateleiras ficaram vazias nos supermercados e manifestantes trocaram socos na Praça de Maio.

Cristina ganhou as eleições com 20 pontos de vantagem sobre o segundo colocado em outubro do ano passado, e ninguém supõe que seu mandato esteja amea-çado pela volta do bater de panelas. Ainda assim, alguma coisa mudou na Argentina. O ineditismo do panelaço da última semana está na quebra do consenso que havia em torno de Cristina. Durante a campanha, era voz corrente que ela faria um governo menos demagógico que o do ríspido Néstor. O otimismo começou a se dissipar já na posse. Cristina assumiu sob o escândalo de uma mala recheada com dólares venezuelanos que tinham como destino sua campanha presidencial. Agora, após 100 dias de governo, já deu mostras suficientes de que sua única diferença de estilo em relação ao marido está no uso de vestido. Seus discursos contra desafetos domésticos e externos são violentos, sua maneira de tomar decisões é centralizadora e autoritária como a do marido.


Damian Dopacio/AFP
Cristina discursa na capital: "Piqueteiros da abundância"

A maneira Kirchner de governar impede que o país ministre o remédio correto para o seu maior problema: a inflação. Os preços sobem na Argentina porque a produção não acompanha a demanda. Desde 2003, o país começou a crescer em ritmo acelerado – próximo de 9% anuais. Dois anos depois, as fábricas já operavam perto da capacidade máxima. O problema é que a má vontade do casal presidencial expulsou o investimento estrangeiro, e sem dinheiro externo não há como ampliar a produção. Ao mesmo tempo que estimulava o consumo, o governo congelava as tarifas de serviços públicos e preços nos supermercados. Criou-se, assim, uma bomba-relógio. As medidas econômicas utilizadas pelo casal presidencial para desarmar o gatilho são tão heterodoxas como perigosas, ao prejudicar ainda mais a produção. Há três semanas, o governo elevou o imposto de exportação sobre a soja, uma espécie de confisco sobre o principal motor do crescimento econômico argentino. Os fazendeiros alegam que os aumentos no custo dos insumos com a inflação tornam a produção pouco atrativa. Em resposta, bloquearam dezenas de pontos das estradas do país com tratores e caminhões. Cristina reagiu com fúria. Disse que não negocia com "a pistola apontada para a cabeça" e chamou os produtores rurais de "piqueteiros da abundância".

A velha retórica populista de culpar uma elite econômica pelos problemas do país provou-se desgastada. Na capital, Buenos Aires, e nas principais cidades, milhares de argentinos pintaram faixas e camisetas em apoio aos fazendeiros, demonstrando saber perfeitamente a quem culpar pela inflação crescente e escassez de alimentos nas gôndolas – o governo. "A Argentina está vivendo um filme a que o Brasil assistiu na década de 80, com controle de preços, manipulação dos índices de inflação e hostilidade ao capital financeiro", diz o economista Mailson da Nóbrega, da Tendências Consultoria Integrada, em São Paulo.

Três passos para o desastre

1 A inflação argentina ameaça fugir ao controle. O governo só admite 8% no ano passado, mas estimativas independentes acreditam que pode ter chegado a 24%. O resultado: os trabalhadores não conseguem reajustes salariais reais, enquanto os preços sobem

2 Para segurar a inflação, o governo Kirchner recorreu ao congelamento de preços em vários produtos, sobretudo alimentos. O resultado: os produtores de carne e leite passaram a cultivar e a exportar soja

3 Para forçar a venda da carne, do trigo e da soja no mercado interno, o governo adotou uma espécie de confisco sobre as exportações. Quanto maior for o preço da soja no exterior, maior será o imposto cobrado, podendo chegar a 44%. O resultado: os fazendeiros estão em greve e faltam alimentos nos supermercados

Arquivo do blog