sexta-feira, fevereiro 29, 2008

A Sociologia do Pessimismo dos motoristas de táxi

Clicar aqui

Os motoristas de táxi são senhores absolutos num ramo do pensamento brasileiro: a Sociologia do Pessimismo. Em que consiste? Bem, sua característica mais evidente é a sentença finalista: “O Brasil não vai dar certo porque todo mundo é igual”. Eles são sempre bastante convincentes nos seus exemplos, tomados aleatoriamente, a esmo. O cara passa num buraco? “Isso tá uma buraqueira, e ninguém faz nada. Entra um, entra outro, sempre a mesma coisa. Este país não tem jeito!” O trânsito engarrafa? “Também, tão vendendo carro com prestação de R$ 299! Esse país não tem jeito. O cidadão deixa de comprar comida pra comprar carro. Ói só como fica. Este país não tem jeito!” O farol fecha? “Sabe o que eu não entendo? Esta rua é muito mais movimentada do que aquela [e aponta para o cruzamento], só que o farol lá fica aberto menos tempo. Este país não tem jeito!” Provavelmente, não é como ele percebe, mas, se está parado, e os “adversários”, andando, então inveja o outro só por não ser ele... Num táxi, é sempre tudo igual, “não tem jeito”.

Eles também são craques em teorias conspiratórias. Nunca é o que parece ser — tampouco é o que é. Ai de você caso se confesse jornalista e diga que Tancredo não foi assassinado!... Há sempre o filho da vizinha da tia da mulher dele que sabe até quem matou o homem. “E ninguém faz nada! Este país não tem jeito”. Um motorista de táxi sempre nos humilha com a informação bombástica de bastidor, a incredulidade e a certeza sobre o futuro. Ah, sim: e com uma visão um tanto aterradora do ser humano: “Ninguém presta! É todo mundo igual”. Uma pausa.

O bordel

Vocês se lembram, não?, tantas vezes já se disse: os petistas se queriam os desiguais entre iguais. Num ambiente em que todos seriam mais ou menos indecentes, o PT se oferecia para ser o São Jorge de bordel. Mas não um santo que ficasse quietinho, no canto, assistindo a tudo, não dizendo nada, como a capa de chuva da música Café da Manhã, de Roberto Carlos. Não! Este santinho era loquaz, feroz, moralista e, claro!, virgem! Aí o PT foi pego, como direi?, em decúbito ventral e não teve dúvida: “Tá bom. Eu não sou São Jorge, mas ninguém é. Todo mundo aqui faz a vida”. Os que estavam à volta mais ou menos assentiram: “É, é verdade, todo mundo aqui entra em decúbito, ora dorsal, ora ventral, ora de ladinho...”

Como um game de programa de TV, chegou a hora de chamar os universitários para estudar o caso, e os jornalistas para reportar. Os primeiros, todos mestres e doutores, disseram: “É verdade, todo mundo aqui é igual, mas como o PT tem origem operária, trata-se de um decúbito que faz avançar a democracia; os outros, não. Fazem essas coisas por vício mesmo; o PT, por necessidade”. E parte do jornalismo concordou.

Notável salto dialético aquele que se operava ali: justamente por fazer igual, o PT mostrava, então, a sua diferença. Era como se os outros optassem pelo decúbito por gosto, e o PT, por necessidade revolucionária. Uma intelectual petista chegou a escrever em jornal que o moralismo udenista e pequeno-burguês não aceitava que um partido operário pudesse roubar também. Corolário: o roubo de um partido operário, ainda que supostamente operário, era um auto de fé. E boa parte dos nossos analistas saiu dali para opinar. Não conseguiam dizer uma miserável palavra censurando os hábitos petistas sem atribuir o mesmo vício ao PSDB, ao DEM (PFL), ao conservadores do Império, a Tomé de Souza, sei lá eu...

Acadêmicos e jornalistas, em suma, começaram a conduzir o táxi. “Esse país não tem jeito. É todo mundo igual”.

Mas...
Ao se igualar o PT aos partidos que alguns bestalhões ainda chamam “tradicionais” — como se ele já não fosse, a seu modo, tradicional e beneficiário do statu quo —, em vez de estarem aplicando uma pecha no partido — “igual aos outros” —, estavam, isto sim, executando um movimento que lhe era duplamente favorável:
- se é igual, então roubar faz parte do jogo;
- se é igual, então as suas particularidades não têm nenhuma importância.

E é aí que mora o perigo. E é por isso que os motoristas de táxi, ao menos como categoria analítica, não servem para ler a política. Já temos um exemplo de transição de poder, não é? O PSDB foi apeado do poder pelas urnas. E cumpre fazer uma pergunta: qual é a sua real influência hoje na máquina do estado? Aparelhou a administração direta, as estatais, a ampla rede burocrática de serviços e regulação, os fundos de pensão? Nada! O que restou dos tucanos — e do ex-PFL, hoje DEM — no poder? Nada! Alguns poderão dizer que as opções de FHC estão ainda presentes na área mais sensível do país: a economia. É fato. Mas é tolice achar que o Banco Central, por exemplo, obedece a um comando partidário, tucano.

Como será em 2010 — ou 2011, para ser mais preciso? Se vence um candidato de Lula, mesmo que seja Ciro Gomes (vocês sabem fazer novena?; querem que eu ensine?), haverá uma mudança aqui ou ali, mas a ocupação do estado pelos petistas continuará intocada. Apesar de sua mímica cesarista, Ciro não mexeria com o bilionário aparelho sindical (estou pondo na conta os fundos de pensão) que hoje governa o país, sob o comando de seu líder máximo, Lula. Mas e se vence um oposicionista: José Serra ou Aécio Neves?

Longe ainda desse futuro, pode-se especular que talvez Aécio fosse mais conciliador; Serra menos. Por outro lado, no que respeita a um corte ideológico, talvez o político paulista estivesse mais perto da máquina petista do que o mineiro... E poderíamos escolher muitos critérios para chutar o que faria um ou outro. Tenho pra mim que a “despetização” do estado, mesmo com a vitória de um oposicionista, é tarefa das mais difíceis. Essa gente nos assombrará ainda por muito tempo, ditando a agenda. E o motivo é terrivelmente simples: o estado paralelo petista não é visto como um problema. Tampouco é percebido por boa parte da oposição como aquilo que é: o verdadeiro inimigo do país, que não pode ser banido da máquina por meio de eleições.

E isso não é igual a nada. Isso é diferente.

Nelson Motta Descontrole remoto



Artigo
Folha de S. Paulo
29/2/2008

O melhor e mais eficiente meio de controle de uma TV pública é o acesso permanente do público aos seus dados de audiência. Quantas pessoas estavam assistindo a qual programa, em que cidades e bairros, a que classes socioeconômicas pertencem? Não bastam o controle das despesas e investimentos, da neutralidade e independência da informação. É fundamental a cobrança dos resultados da aplicação do dinheiro público: num meio de comunicação de massa, o resultado é a audiência qualificada. Mas ninguém fala disso, é como se fosse um segredo de Estado.
Se, para as emissoras comerciais, os índices de audiência valem dinheiro, para as TVs públicas valem mais: significam que ela está cumprindo a sua finalidade de fazer uma boa programação para o público que paga a conta.
Em emissoras comerciais, programas que dão traço, zero de audiência, que literalmente ninguém vê, saem do ar, por inúteis. Por que continuam em TVs públicas e estatais? Nem falo de audiências micro ou mínimas, de ínfimas minorias de espectadores, em um universo de 180 milhões de cidadãos, mas do zero absoluto, que significa a rejeição total dos espectadores àquele programa. E há inúmeros nessas condições. Para quê? Por quê?
O patrocinador de uma TV pública é... o público, com o dinheiro de seus impostos. Se os contribuintes não estão vendo o que a sua TV está lhes oferecendo, o problema não é deles, é da TV.
Só não dá para proibir as outras emissoras de fazerem programas melhores. Ou obrigar o público a ver o que não quer por decreto ou medida provisória. Antes de qualquer discussão honesta, é preciso saber quantos estão vendo o quê. E quantos não estão vendo, e por quê. Encarar a realidade para tentar mudá-la, com trabalho e competência.

Clipping de 29 de fevereiro


Correio Braziliense
PAÍS NUNCA EMPREGOU TANTO NUM INÍCIO DE ANO
Vigias furtaram Petrobras, e não espiões
Novo IPTU para 2,5 mil brasilienses
Folha de S. Paulo
PF PRENDE 4 E DIZ QUE FURTO NA PETROBRAS FOI CRIME COMUM
Para Lula, Lupi é o ministro mais 'republicano'
Megablitz em AL liberta mais de 500 trabalhadores
Gazeta Mercantil
MENOS DE 106 FAZENDAS PODEM EXPORTAR À UE
Déficit do Banco Central atinge R$ 47 bi em 2007
Lucro da Vale em 2007 soma R$ 2007 bilhões
Jornal do Brasil
FURTO NA PETROBRAS FOI CRIME COMUM
Guerrilha das Farc é abastecida por produtos do Brasil
IR : Receita insiste em burocracia
O Estado de S. Paulo
GOVERNO RESTRINGE CRÉDITO PARA FAZENDAS NA AMAZÔNIA
Ministro dá verba a prefeita que aderiu ao PDT
Bolsa para quem sair da ilegalidade
Lucro da Vale chega a R$ 20 bi
O Globo
FURTO NA PETROBRAS FOI CRIME COMUM E NÃO ESPIONAGEM
Lupi mistura dados, e Lula o defende
Prejuízo do Banco Central atinge R$47 bi
Célula-tronco: pressão pela liberdade
Valor Econômico
MUNICÍPIOS TEMEM PERDAS COM A REFORMA TRIBUTÁRIA
Fundo cobra dividendos da Eletrobrás
Petrobras quer que governo reveja tarifa de acordo com México
Entrevista
Suzano planeja novo ciclo de investimento (Gazeta Mercantil)
Brasil
MUNICÍPIOS TEMEM PERDAS COM A REFORMA TRIBUTÁRIA (Valor Econômico)
GOVERNO RESTRINGE CRÉDITO PARA FAZENDAS NA AMAZÔNIA (O Estado de S. Paulo)
Após conflito, MST bloqueia estradas em AL (Folha de S. Paulo)
Megablitz em AL liberta mais de 500 trabalhadores (Folha de S. Paulo)
Crédito fica mais difícil na região de destruição (Valor Econômico)
Curtas - Saúde da família (Valor Econômico)
Desemprego fica em 8% em janeiro (Valor Econômico)
Divergência entre ministros provoca recuo em plano de privatizar Infraero (Valor Econômico)
Estados vão poder definir ICMS de alguns itens (O Estado de S. Paulo)
Furto na Petrobras foi comum (Valor Econômico)
IGP-M desacelera, mas preços industriais mantêm alta (Valor Econômico)
Indicadores sugerem trimestre aquecido (Valor Econômico)
Itamaraty e empresários divergem sobre prioridade na relação com América do Sul (Valor Econômico)
IVA federal incidirá sobre serviços e dará à União um superimposto (O Estado de S. Paulo)
Líder Suruí vê o passado e fala do futuro em Berlim (Valor Econômico)
Mantega avisa que desoneração depende de aprovação do pacote (O Estado de S. Paulo)
Morre a 19ª vítima por febre amarela (Jornal do Brasil)
Promotores investigarão contratos da Finatec (O Estado de S. Paulo)
União quer punir cliente de quem desmata (Valor Econômico)
Vale tem lucro recorde de R$ 20 bi e reduz dívidas (Valor Econômico)
Vazão de Sobradinho preocupa áreas de irrigação (Valor Econômico)
Agronegócio
MENOS DE 106 FAZENDAS PODEM EXPORTAR À UE (Gazeta Mercantil)
Carne: das 106 fazendas liberadas, 87 estão em MG (O Globo)
Governo corta incentivos ao plantio direto (Valor Econômico)
Novos focos de greening em SP (Gazeta Mercantil)
UE faz pressão para reduzir oferta de açúcar (Valor Econômico)
Empresa e Tecnologia
Fundo cobra dividendos da Eletrobrás (Valor Econômico)
Petrobras quer que governo reveja tarifa de acordo com México (Valor Econômico)
Brandes protesta a Eletrobrás na Justiça (Valor Econômico)
Natura ajusta estratégia e vê demanda crescente na classe C (Gazeta Mercantil)
Registro - PPP de Osasco (Gazeta Mercantil)
Térmica de Furnas no Rio terá GNL da Petrobras (Valor Econômico)
Cultura
Nível de atividade da indústria paulista recua 0,5% em janeiro (Folha de S. Paulo)
Colunas
Ancelmo Gois - O dia seguinte (O Globo)
Ari Cunha - Fidel era amigo (Correio Braziliense)
Brasil - O custo de esterilizar reservas (Valor Econômico)
Brasil S.A - Falando sério (Correio Braziliense)
Brasília-DF - Dilma no Nordeste, Ciro no Sul (Correio Braziliense)
Celso Ming - Sacrifícios a Moloque (O Estado de S. Paulo)
Cláudio Humberto - Rocha Mattos: ex-mulher abre o bico (Jornal de Brasília)
Clóvis Rossi - Crimes, pequenos ou grandes (Folha de S. Paulo)
Dora Kramer - As lides da embromação (O Estado de S. Paulo)
Eliane Cantanhede - Abrindo o apetite (Folha de S. Paulo)
Informe JB - Pega fogo a terra de Collor e Renan (Jornal do Brasil)
Luiz Garcia - Fígado, e também tutano (O Globo)
Mercado Aberto - Empresários acham difícil aprovar a reforma neste ano (Folha de S. Paulo)
Merval Pereira - Visões de Estado (O Globo)
Míriam Leitão - A reforma da vez (O Globo)
Painel - O meu primeiro (Folha de S. Paulo)
Política - Um trabalhador entre PT e PSDB (Valor Econômico)
Ponto do Servidor - Militares terão 8% de reajuste (Jornal de Brasília)
Por dentro do mercado - Busca por ativo real dispara ouro (Valor Econômico)
Sônia Racy - Capítulo 185 do direito de nascer (O Estado de S. Paulo)
Política
PAÍS NUNCA EMPREGOU TANTO NUM INÍCIO DE ANO (Correio Braziliense)
Ministro dá verba a prefeita que aderiu ao PDT (O Estado de S. Paulo)
Lupi mistura dados, e Lula o defende (O Globo)
Para Lula, Lupi é o ministro mais 'republicano' (Folha de S. Paulo)
'Parece animador de auditório', reage presidente do DEM (O Estado de S. Paulo)
A reforma de papel (Correio Braziliense)
Aliados disputam relatoria da reforma (Valor Econômico)
Ayres: Lei de Imprensa vai cair (Jornal do Brasil)
Bancada do DF escolhe coordenador (Correio Braziliense)
Barbosa é relator do caso Palocci no STF (Valor Econômico)
Barbosa será relator de processo contra Palocci (O Estado de S. Paulo)
Cartões: Portal pára de divulgar gasto relativo a Lula (Folha de S. Paulo)
Cartões: PT da Câmara se rebela e impede instalação de CPI (Folha de S. Paulo)
CGU vai investigar convênios de ministério (Folha de S. Paulo)
Novo IPTU para 2,5 mil brasilienses (Correio Braziliense)
Comissão corta R$ 224 mi do Rodoanel de SP (Folha de S. Paulo)
Contribuição para financiar TV pública causa polêmica (O Globo)
CPI do Cartão atrasa; oposição investe na das ONGs (O Globo)
CPI só começa a trabalhar na semana que vem (O Estado de S. Paulo)
Cunha, um deputado multipartidário (Jornal do Brasil)
Denúncia diz ser "indubitável" ação de Palocci (Folha de S. Paulo)
Disputa pela relatoria (Correio Braziliense)
Elogio a Lupi e ataque à oposição (Correio Braziliense)
Em Aracaju, presidente ataca ministros do STF (O Estado de S. Paulo)
Em cidade tomada por fiscais, prefeito Macarrão distribui pão às massas (Folha de S. Paulo)
Emenda tira recursos do Rodoanel e PSDB ameaça obstruir votação (Valor Econômico)
Estados reagem à limitação da guerra fiscal (Valor Econômico)
Estudos para mudar IR ainda estão em fase inicial (O Estado de S. Paulo)
Financiamento para a Segurança Pública (Correio Braziliense)
Fórum sobre mudanças (Gazeta Mercantil)
Governo deve enfrentar resistência entre governadores (Gazeta Mercantil)
Governo dribla oposição e aprova relatório (Gazeta Mercantil)
Governo e PT prevêem adoção de imposto sobre grandes fortunas (O Globo)
Governo quer cobrar tributo sobre grandes fortunas (O Estado de S. Paulo)
Joaquim Barbosa irá relatar processo contra Palocci (Gazeta Mercantil)
Judiciário foi a maior vítima dos cortes (Gazeta Mercantil)
Lula defende Lupi e sugere que acusação é bobagem (Jornal do Brasil)
Lula defende ministro do Trabalho (Gazeta Mercantil)
Lula discute reforma (O Globo)
Lula ironiza oposição por ir ao STF contra política social (Folha de S. Paulo)
Lula pede respeito com latinos (O Estado de S. Paulo)
Lula rebate oposição e defende Lupi (Valor Econômico)
Lula: 'Seria bom se o Judiciário só metesse o nariz nas coisas dele' (O Globo)
Lupi faz convênio com prefeita que aderiu ao PDT (O Estado de S. Paulo)
Lupi mistura números e é chamado de republicano (O Globo)
Madeireiros dizem que população reagirá a operação em Mato Grosso (O Globo)
Mantega, traumatizado pelo caso CPMF (Gazeta Mercantil)
Ministério passará por devassa da CGU (O Estado de S. Paulo)
Múcio fará audiências regionais para despartidarizar debate (Valor Econômico)
Municípios temem repasse condicionado (Valor Econômico)
No Ceará, Lula defende ministro (O Estado de S. Paulo)
Nova urna confere digitais do eleitor (O Globo)
Novas urnas biométricas (Correio Braziliense)
Oposição anuncia que vai obstruir (Jornal do Brasil)
Oposição tenta impedir política social, acusa Lula (O Estado de S. Paulo)
Orçamento vai à votação na quarta (O Globo)
Partidos dividem poder nas comissões temáticas (Jornal do Brasil)
Partidos travam nova disputa por comissões temáticas (Gazeta Mercantil)
Patrus Ananias resiste à aliança proposta por Aécio (Valor Econômico)
Patrus descarta candidato único de PT e PSDB a prefeito de Belo Horizonte (O Globo)
Portal da CGU atualiza despesas (Correio Braziliense)
Presidente do TCE-SP será investigado por ordem do STJ (Folha de S. Paulo)
Proposta do governo surpreende o Congresso (Jornal do Brasil)
PSDB do Senado se rebela na Comissão de Orçamento (O Estado de S. Paulo)
PT atrasa ainda mais a CPI… (Correio Braziliense)
Rachid vasculhou dados de caseiro, diz Procuradoria (Folha de S. Paulo)
Rio quer incluir petróleo em nova alíquota (O Globo)
São Paulo rompe contrato (Correio Braziliense)
Serra critica perda de receita com reforma (O Estado de S. Paulo)
STF aguarda explicações sobre os cortes (Jornal do Brasil)
Temas importantes ficam de fora (Correio Braziliense)
Texto veta concessão de novos incentivos fiscais (Valor Econômico)
Tributária chega ao Congresso (O Globo)
TSE implantará votação por digitais (Jornal do Brasil)
Tucanos denunciam privilégios na comissão (Correio Braziliense)
Economia
FURTO NA PETROBRAS FOI CRIME COMUM E NÃO ESPIONAGEM (O Globo)
PF PRENDE 4 E DIZ QUE FURTO NA PETROBRAS FOI CRIME COMUM (Folha de S. Paulo)
FURTO NA PETROBRAS FOI CRIME COMUM (Jornal do Brasil)
'Importar etanol do Brasil reduziria custos nos EUA' (O Estado de S. Paulo)
'Volume é excessivo desde 2006' (O Estado de S. Paulo)
83 vagas com salário de R$ 3.663 (Correio Braziliense)
84% das fazendas aceitas pela Europa são mineiras (Correio Braziliense)
Abastecimento faz Argentina limitar vendas (Folha de S. Paulo)
Abin continuará a apurar furto (O Estado de S. Paulo)
Acúmulo de reservas faz prejuízo do BC crescer para R$ 47,5 bilhões (O Estado de S. Paulo)
ALL tem lucro de R$ 216 milhões com aumento de cargas em 2007 (Gazeta Mercantil)
Ano começa com indicadores positivos (O Globo)
Balanço: Bancos chegam a dobrar lucro no ano de 2007 (Folha de S. Paulo)
Barril dispara em NY e fecha a US$ 102,59 (Gazeta Mercantil)
Prejuízo do Banco Central atinge R$47 bi (O Globo)
Ben Bernanke defende álcool (Correio Braziliense)
Bernanke defende corte na tarifa do álcool brasileiro (Folha de S. Paulo)
Bernanke descarta estagflação nos EUA (Folha de S. Paulo)
Bird pede eficiência energética ao Brasil (O Estado de S. Paulo)
Bolsa lidera rendimentos em fevereiro, com alta de 9,61% (Gazeta Mercantil)
Bolsa se descola de Wall Street e emenda 7ª alta (Jornal do Brasil)
Brasil atrai petrodólares (Correio Braziliense)
Cenário ruim nos EUA evita recorde da Bovespa (Folha de S. Paulo)
CMN aprova a entrada de novos bancos estrangeiros (Folha de S. Paulo)
CMN dá sinal verde a bancos estrangeiros (Valor Econômico)
Com mínimo, mais R$ 1,6 bi na praça (O Estado de S. Paulo)
Congresso prevê votação ainda neste ano (Folha de S. Paulo)
Contrários à tese do governo federal, executivos descartavam espionagem (O Globo)
Corte de temporários faz o desemprego subir para 8% (Folha de S. Paulo)
Crédito do FAT para empresas cai a R$ 4 bi (O Estado de S. Paulo)
Criadores não querem mudança nas regras (O Estado de S. Paulo)
Crise afeta operações de desenvolvidos (Gazeta Mercantil)
Crise de crédito mantém o dólar em sua jornada ladeira abaixo (Valor Econômico)
Decisão do CMN eleva verba para obras incluídas no PAC (O Estado de S. Paulo)
Déficit do Banco Central atinge R$ 47 bi em 2007 (Gazeta Mercantil)
Desemprego de 8% é o menor apurado em janeiro (O Globo)
Desemprego sobe para 8%, diz IBGE (O Estado de S. Paulo)
Desfecho enfraquece grupo contra licitações (Jornal do Brasil)
Dólar baixo causa prejuízo de R$ 47 bi (Jornal do Brasil)
Bolsa para quem sair da ilegalidade (O Estado de S. Paulo)
Equipamento de segurança custaria apenas R$ 700 à estatal (Jornal do Brasil)
FAT decide priorizar os projetos de menor porte (Folha de S. Paulo)
Fiscais inspecionam tudo, dos animais às instalações (O Estado de S. Paulo)
Força-tarefa vai cobrar as multas do Ibama (Gazeta Mercantil)
Governo vai abrir capital da Infraero, afirma BNDES (Folha de S. Paulo)
IGP-M aponta inflação menor em fevereiro (Folha de S. Paulo)
IGP-M manterá trajetória de desaceleração no próximo mês (Gazeta Mercantil)
IGP-M recua para 0,53% em fevereiro (O Estado de S. Paulo)
Índice mais alto pressiona reajuste de aluguéis (Jornal do Brasil)
Indústria mantém ritmo forte (Gazeta Mercantil)
Jobim descarta privatização da Infraero (O Estado de S. Paulo)
Justiça condena Esso a pagar multa de R$ 3 mi por dumping (Folha de S. Paulo)
Lucro da SulAmérica vai a R$ 321 milhões (Gazeta Mercantil)
Lucro da Vale chega a R$ 20 bi (O Estado de S. Paulo)
Lucro da Vale cresce pelo quinto ano seguido e chega a R$ 20 bilhões (O Estado de S. Paulo)
Lucro da Vale sobe para R$20 bi e bate recorde (O Globo)
Lucro do Banco Real cresce 45%, para R$ 2,9 bilhões (Gazeta Mercantil)
Lucro da Vale em 2007 soma R$ 2007 bilhões (Gazeta Mercantil)
Maioria das fazendas autorizadas a exportar para UE é de Minas (O Estado de S. Paulo)
Mais duas imobiliárias vendidas (Correio Braziliense)
Minas defende ampliação de lista da carne para a UE (Folha de S. Paulo)
Na lista da UE, existem até fazendas de leite e genética (Jornal do Brasil)
Para especialistas, roubo expôs falhas de segurança (O Estado de S. Paulo)
Para Tarso, houve acerto ao tratar assunto como questão de Estado (Folha de S. Paulo)
PDVSA tenta revogar ação judicial (Gazeta Mercantil)
Pecuarista estranha lista (O Estado de S. Paulo)
Petrobras firma acordo com asiáticos (Gazeta Mercantil)
PF prende 4 vigias que levaram dados da Petrobras e diz que é furto comum (O Estado de S. Paulo)
Política industrial será anunciada em março, diz Jorge (O Estado de S. Paulo)
Produtores de leite pedem nova política de preços (O Estado de S. Paulo)
Programa vai treinar até 14 milhões (O Globo)
Real fortalecido facilita decisão do Copom de manter Selic em 11,25% (Valor Econômico)
IR : Receita insiste em burocracia (Jornal do Brasil)
Redução do IR pessoa física está indefinida (Folha de S. Paulo)
Reforma adia desoneração da folha (Folha de S. Paulo)
REGISTRO - PIB CRESCE COM REFORMA (Gazeta Mercantil)
REGISTRO - TARIFAS PARA ETANOL (Gazeta Mercantil)
Regra contra guerra fiscal é de "difícil materialização" , diz Serra (Folha de S. Paulo)
Roubo simples derruba tese contra abertura do petróleo (Gazeta Mercantil)
Secretário quer mais segurança nos portos do País (O Estado de S. Paulo)
Terceirização alivia desemprego (Jornal do Brasil)
Terceirização de serviços alivia o crescimento do desemprego (Gazeta Mercantil)
Teto do INSS cai de 10 para 7,4 salários mínimos desde 2003 (Folha de S. Paulo)
Vale alcança lucro recorde de R$ 20 bi (Folha de S. Paulo)
Vale divulga lucro histórico de R$ 20 bilhões em 2007 (Jornal do Brasil)
Vale e Petrobras puxam Bolsa de SP (O Globo)
Vence hoje prazo para comprovantes (O Estado de S. Paulo)
Opinião
"Não aprenderam nada, não esqueceram nada" (Valor Econômico)
A perversidade das Farc (O Estado de S. Paulo)
A perversidade das Farc (O Estado de S. Paulo)
A República absolutista (Correio Braziliense)
Abin na contra-arapongagem (Jornal do Brasil)
Agora falta investir em segurança (Jornal do Brasil)
Ainda é cedo para soltar rojões (Gazeta Mercantil)
Bancos centrais sobre gelo fino (O Estado de S. Paulo)
Bom desempenho confirmado (O Estado de S. Paulo)
Bom desempenho confirmado (O Estado de S. Paulo)
Bovespa descola dos EUA com a safra de bons resultados (Valor Econômico)
Crises: passado, presente, futuro (Valor Econômico)
Descontrole remoto (Folha de S. Paulo)
Educação na base (O Globo)
Ingrid Betancourt e os outros reféns (Jornal do Brasil)
Ingrid e Gloria (Jornal do Brasil)
Ingrid e Gloria (Folha de S. Paulo)
Juros e lucros (O Estado de S. Paulo)
Lições para governantes (O Globo)
Maturidade fiscal (Folha de S. Paulo)
O Brasil deveria se endividar mais? (Folha de S. Paulo)
O cheiro do inferno (Correio Braziliense)
O erro de Marcelândia (Folha de S. Paulo)
O que se esconde atrás do lixo (O Estado de S. Paulo)
O STF e as células-tronco (Correio Braziliense)
Oposição ganha perdendo (Jornal do Brasil)
Por uma nova Lei de Imprensa (Folha de S. Paulo)
Prazo, e não custo, amplia créditos (O Estado de S. Paulo)
Proposta inaceitável (Correio Braziliense)
Queda do dólar segura inflação sem subir juros (Gazeta Mercantil)
Reflexões sobre a mitologia tributária (Gazeta Mercantil)
Restrições ao meu otimismo (Folha de S. Paulo)
Sem números, está lindo (Folha de S. Paulo)
Sócio incômodo (O Globo)
Sou, mesmo, um pequeno burguês (O Estado de S. Paulo)
Um imperador da política (O Globo)
Viaje a seu risco e perigo (Folha de S. Paulo)
Internacional
Guerrilha das Farc é abastecida por produtos do Brasil (Jornal do Brasil)
Governo nega saída de ministro da Economia (Valor Econômico)
Muitos argentinos já se perguntam qual é o Kirchner que manda (Valor Econômico)
Sanguinetti critica Venezuela no Mercosul (Gazeta Mercantil)
Geral
Vigias furtaram Petrobras, e não espiões (Correio Braziliense)
Célula-tronco: pressão pela liberdade (O Globo)

Arquivo do blog