sábado, fevereiro 23, 2008

MILLÔR

O crime não compensa, tudo bem. Mas pode-se escolher a hora, o local e o método de trabalho.

Repensando e retornando

OS 10s (PELA PRIMEIRA VEZ UM NUMERAL COM PLURAL!) MANDAMENTOS REVISTOS E REVISADOS.

Ninguém ignora – os que sabem – que os 10 mandamentos nunca foram obedecidos. Mas deram cada idéia! Com algumas permissões imediatas. Como aquele de não cobiçar a mulher do próximo. Conseqüentemente, libera a mulher do primeiro quarteirão em diante.

Mas, sem malícia contra quem quer que seja, andamos lendo aquelas pedras que Moisés recebeu no Monte dos Sinais, e pensando sobre isso e outras coisas mais, aqui vai:

I) Aos falsos que dizem "Não furtarás" respondereis: "Como fazê-lo, se vocês, aí dos Cartões Corporativos, já rasparam até o fundo do tacho?".

II) Abençoados serão os que guardam seus milhões nos bancos do Nilo. Pois ao seu know-how poderemos, confiantemente, entregar o pagamento de nossas dívidas imperdoáveis (perdoáveis, agora que o Padre-Nosso trocou o "nossas dívidas" por "nossos pecados").

III) Olhai os lírios do campo, que não protestam, não subvertem nem fazem demonstrações e protestos. Engolem o adubo e o agrotóxico com a mesma santa resignação. Serão repreendidos pelos que amam o Verde, mas abençoados pela Monsanto.

IV) Pois o tempo que vos diga – não deixeis que a Ala Direita saiba o que faz a Ala Esquerda. Nem que a Ala Esquerda perceba o que pretende a Ala Direita. Pois há extremismos em ambos os extremos e precisamos evitá-los para conquistar o Extremo Centro.

V) Abençoados os Padroeiros, os Santos, os Dignos e os Bons, conhecidos como PSDBs, que, pressentindo a queda do muro de Jericó (quando os Pts mostraram seu espetáculo a casa veio abaixo), se acoitaram no Muro das Lamentações e ficaram lá em cima para sempre.

VI) E os que permanecerem de quatro diante dos que os ofendem, dos que os ameaçam, dos que os injuriam, conhecerão muitos tempos de abundância e de Poder Constituído. E terão a bênção de Deus por intermédio da Mídia.

VII) E ainda mais vos concito: amai os vossos desafetos, pois o sol brilha sobre justos e injustos, e Deus faz a chuva cair sobre crentes e hereges – mas só ensina o caminho das arcas aos que sabem seduzir e dormir e ser gestantes do inimigo. Pois sois o Sal da Terra e a Luz da Humanidade. Mas é preciso usar esse Sal com parcimônia, para evitar a hipertensão social. E a Luz deve ser usada com igual moderação, para que inesperadamente não ilumine as vossas próprias mazelas.

VIII) E todos os que me seguirem continuarão com suas mansões no lago de Genesaré.

IX) Nem jamais deveis esquecer que a cada devoto corresponde um voto.

X) Pois, ao fim dos tempos, sereis todos mineiros e, ainda que vices, estareis no Reino.
(Um tempo)

XI) Ah, e, em qualquer circunstância, usem faróis baixos.

PALAVRAS, PALAVRAS. QUANDO NASCEM (E QUANDO MORREM?)

PAQUERA

Lá vamos nós, Otto Lara Resende, Paulo Mendes Campos e Fernando Sabino, andando pela noite tardia, "no tempo em que João, filho de Pedro, memorava" (Camões). Há bem tempo. Éramos jovens e sabíamos. Como sabíamos também que estávamos inventando a juventude, coisa bem mais recente do que se pensa. A cidade era mais vazia. Ipanema era o que depois se diria que era – os hunos ainda não tinham chegado.

E lá vamos nós.

De repente, entre uma casa e outra, um terreno baldio – havia casas e terrenos baldios na Vieira Souto. Através do terreno baldio vimos uma janela entreaberta e na meia-luz da madrugada entreavistamos uma maliciosa sombra feminina.

Paquera!, disse o Otto. Paquera, o quê?, disse um de nós, ou dissemos todos.

O Otto foi didático: "A maioria desses trabalhadores de obra anda aí pelos 20 anos. Vocês ainda devem lembrar dos 20 anos. Estão no máximo 10 anos longe disso. Vinte anos talvez, nem isso. Eles estão com a libido exigente – e nunca satisfeita. Viva e exigente, quarenta e oito horas por dia. Pau puro, se entendem o que digo.

Quando o edifício começa a subir do chão, as moças de família – tomem nota disso, vai acabar – da casa ao lado, que costumavam se vestir e se despir à vontade, de janela aberta, passam a tomar cuidado e fechar as janelas.

Os trabalhadores, com permissão do capataz, quase da idade deles, constroem imediatamente as paredes em frente às janelas das moças, no nobre intuito de preservar a intimidade das jovens (ou mesmo das tias). Só que..."

Otto fez um suspense. Fingimos estar satisfeitos com a nobreza dos trabalhadores. Mas o só que do Otto estava no ar. Ele próprio não resistiu.

"Só que de noite um ou dois tijolos da parede podiam ser retirados, e as moças voltavam a ficar à vontade, pra gáudio (!) e masturbação da rapaziada. E o buraco dos dois tijolos retirados passou a se chamar paquera.

Não me perguntem por quê."

Arquivo do blog