sábado, fevereiro 23, 2008

O roubo dos laptops: que informações foram levadas?

Muito barulho por pouco

Roubo na Petrobras não tem a gravidade anunciada,
mas revela falhas na segurança da empresa


Ronaldo França

Marco Antônio Teixeira/Ag. O Globo
Escritório da Halliburton, no Rio: faltou mais cuidado

VEJA TAMBÉM
Exclusivo on-line
Em profundidade: Petróleo

Na semana passada, o governo federal mobilizou seu aparato de investigação para tentar desvendar o ruidoso caso do roubo dos computadores da Petrobras. O assunto passou a ser tratado como "questão de estado" pelo Planalto e pelo Ministério da Justiça. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin)e a Polícia Federal foram acionadas. Equipes das duas instituições saíram de Brasília e desembarcaram em Macaé, no litoral do Rio de Janeiro, para lidar com o que teria sido um caso de espionagem industrial. Uma ameaça ao interesse da nação. Quatro laptops e dois discos rígidos (dispositivos que armazenam dados) foram roubados em algum ponto do trajeto entre a Bacia de Santos, no litoral do Rio de Janeiro, e o Porto do Rio. Estavam sob a guarda da multinacional americana Halliburton. Os aparelhos continham informações coletadas em um ponto do gigantesco campo de gás batizado de Júpiter, anunciado no mês passado como a esperança da auto-suficiência brasileira em gás. Apresentado dessa forma, parece assunto estratégico. Mas só parece. A questão principal, até agora tratada sem a devida transparência, diz respeito ao real valor das informações ali contidas. O que tudo leva a crer – e as investigações iniciais não desmentem – é que os dados roubados têm pouca ou nenhuma utilidade para a única finalidade que justificaria uma ação de espionagem industrial: dar vantagem a algum dos participantes de futuras rodadas de licitação em áreas contíguas a Júpiter. Isso porque, para que essas informações façam sentido, elas precisam ser analisadas em conjunto com centenas de outras que estão em poder da Petrobras, e somente dela.

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, só falou no assunto, evasivamente, empurrado pelo presidente Lula, numa cerimônia na terça-feira. Profissionais experientes em exploração de petróleo ouvidos por VEJA explicaram que o que havia ali eram dados sobre o perfil dos poços já furados em Júpiter, levantamento que vinha sendo feito pela Halliburton, a dona do equipamento. Esse perfil consiste na coleta de dados como pressão, salinidade, campo magnético e temperatura, entre outros. É, para usar uma imagem conhecida, uma espécie de endoscopia.

Ricardo Stuckert/PR
Lula e Gabrielli falaram sem dizer o fundamental: o que era?

A perfilagem é um exame feito no interior do buraco. Por isso é tão específico e tem de ser entregue a uma empresa especializada. A questão fundamental é que os dados coletados pela Halliburton, sozinhos, são insuficientes para dar a uma concorrente uma vantagem competitiva de fato. A forma como um poço foi aberto, os problemas que aconteceram e uma série de amostras coletadas durante a fase de perfuração são essenciais para que a perfilagem faça sentido. E nada indica que isso tenha sido roubado. A Petrobras informou a VEJA, na sexta-feira, que a cúpula da empresa passou a trabalhar com a hipótese de que tenha havido um roubo comum. Isso é o que os investigadores da PF e da Abin ainda vão esclarecer.

Ninguém precisa ser um Sherlock Holmes para descobrir que esse episódio expõe um pouco-caso preocupante com a segurança da informação na Petrobras. Se os dados roubados são de menor importância, não havia necessidade do aparato governamental que foi montado. Se, ao contrário, são importantes como se divulgou inicialmente, por que estavam em um contêiner que circulou sem nenhuma proteção especial pelas estradas do Rio de Janeiro e dormiu em um posto de gasolina? No mesmo galpão onde o contêiner foi violado, outro computador havia sido roubado, vinte dias antes. E ninguém havia sequer avisado à polícia. Para completar a desordem, os laptops (HP Compaq, avaliados em 8 000 reais cada um) estavam à vista de todos, porque o contêiner é um escritório móvel, com janelas e uma porta com cadeado – do qual 45 pessoas tinham a chave. Quando a polícia foi acionada, pelo menos quinze pessoas já haviam entrado no contêiner, tornando a cena do crime imprestável para a perícia. Tudo errado. Durante a semana, chegaram à PF informações sobre diversos outros furtos e roubos não comunicados à polícia nos últimos meses.

Arquivo do blog