sexta-feira, março 21, 2008

Perda de patente de super-remédios preocupa laboratórios

Dor de cabeça persistente

A indústria farmacêutica enfrenta a perda da patente de
seus super-remédios e a falta de substitutos à altura deles


Anna Paula Buchalla

Ao longo de duas décadas, a indústria farmacêutica figurou entre os segmentos de melhor rentabilidade – fruto do sucesso de remédios como Prozac, Viagra e Topamax, entre outros. Mas os medicamentos blockbuster, ou "arrasa-quarteirão", que rendem bilhões de dólares aos fabricantes, estão para perder (ou já perderam) suas patentes – e, na maioria dos casos, não foram encontrados substitutos que representem um avanço em relação a eles. Num relatório do fim do ano passado, a Moody’s Investors Service, agência internacional de avaliação de risco, alertou: "Nos próximos quatro anos, o setor farmacêutico enfrentará um período difícil. Para algumas empresas, o fim das patentes reduzirá em até 40% seus lucros atuais". Veja-se o exemplo do Lípitor, que lidera o mercado de estatinas, com 12,7 bilhões de dólares de faturamento somente no ano passado. Sua patente vence em 2010 e, até agora, não há sinal de que ele terá um sucessor. "Será difícil superar os avanços obtidos nos últimos anos", reconhece Mariano Garcia-Valiño, diretor da unidade de negócios cardiovascular do laboratório Pfizer.

No mercado americano de remédios, responsável por quase 45% dos 643 bilhões de dólares movimentados anualmente no mundo pelo setor, as perdas já são dolorosas. Em 2007, ele registrou seu pior desempenho desde 1961. Segundo o relatório da consultoria internacional IMS Health, a venda de medicamentos nos Estados Unidos aumentou apenas 3,8% no ano passado. É menos da metade dos 8% de crescimento registrados em 2006. O desempenho relativamente ruim nada tem a ver com a atual desaceleração da economia americana. É fruto exclusivo do que os especialistas chamam de "gargalo tecnológico" – ou seja, a falta de reposição no nicho dos super-remédios. "Obviamente, novos blockbusters continuarão a surgir, mas num ritmo mais lento", diz o economista Francisco Teixeira, especialista em indústria farmacêutica. "O que, diga-se, é completamente esperado: depois de um período de extrema fertilidade, como foram as décadas de 80 e 90, volta-se ao padrão de normalidade no que se refere ao lançamento de novos remédios."

A validade da patente de um medicamento é de vinte anos. Durante esse período, o fabricante tem exclusividade para a sua produção e comercialização. Na prática, o tempo para desfrutar esses lucros é bem menor, já que a patente começa a contar desde o registro da criação da molécula que dá origem ao medicamento. Como um remédio leva em média doze anos para chegar às farmácias, isso significa que o fabricante tem, em média, oito anos para lucrar o máximo possível. Vencida a patente, o caminho está aberto para a produção de genéricos. Os medicamentos cujas patentes vencerão nos próximos cinco anos representam um mercado da ordem de 40 a 60 bilhões de dólares. Não apenas a patente do Lípitor, mas também a do antidepressivo Efexor XR vence em 2010. A do Viagra, em 2011. Em 2012, o laboratório Merck Sharp & Dohme vai enfrentar competição de genéricos para dois de seus remédios mais vendidos: o Singulair, para asma, e o anti-hipertensivo Cozaar. Para a população, quanto mais genéricos, melhor – trata-se de uma garantia de acesso a remédios até 60% mais baratos. Mas, sem os resultados financeiros dos produtos desenvolvidos por eles, os laboratórios empregam menos dinheiro em pesquisas – o que não é bom para ninguém.

Um laboratório consome cerca de 900 milhões de dólares para que um novo remédio chegue às farmácias. Esse custo explica a movimentação de alguns fabricantes para dificultar a aprovação dos genéricos. "A fim de driblar o vencimento das patentes, os laboratórios promovem batalhas judiciais na tentativa de estendê-las por mais tempo", diz o diretor executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró Genéricos), Odnir Finotti. A outra estratégia dos laboratórios é pleitear novas versões e indicações para remédios que têm patentes próximas do vencimento. Na iminência de perder a exclusividade do anti-depressivo mais vendido no mundo, o Efexor, seu fabricante, o laboratório Wyeth, lançou uma versão mais potente dele, o Efexor XR. No início do mês, o laboratório recebeu aval da FDA, a agência americana de controle de medicamentos, para comercializar o sucessor do Efexor: o Pristiq. Analistas estimam que o êxito comercial será apenas razoável.








Arquivo do blog