sábado, março 15, 2008

André Petry

Os porões do norte

"A última novidade é que Bush deixará
entalhado seu nome na história como o
presidente da mais celebrada democracia
do mundo a autorizar o uso da tortura"

O presidente George W. Bush, de quem o mundo há de se livrar dentro de nove meses, é um homem de superlativos. Presidiu a economia americana indo para a recessão durante o mais longo período de prosperidade que o capitalismo já produziu. Promoveu uma guerra no Iraque, calçada em mentiras hoje deslavadamente comprovadas, durante o mais longo período de paz que a humanidade já teve. A última novidade é que Bush deixará entalhado seu nome na história como o presidente da mais celebrada democracia do mundo a autorizar o uso da tortura.

No dia 8 de março, Bush vetou uma lei aprovada no Congresso que proibia a CIA de torturar seus capturados com simulação de afogamento. A prática é velha nos porões da ditadura brasileira e nas prisões da democracia brasileira: pode ser aplicada pelo método simples (mergulhando a cabeça do sujeito na água até o limite do afogamento) ou pelo método elaborado (com a cabeça envolta num pano, para que o sujeito tenha a sensação de que não pode respirar mesmo fora da água). Mal aplicada, a técnica leva à morte. Bem aplicada, ao desespero. Aplicada no limite, ao desmaio. Pode-se usar o eufemismo que se quiser, mas o nome disso é tortura.

Três dias depois do veto de Bush, o Departamento de Estado americano lançou seu relatório anual sobre a situa-ção dos direitos humanos no mundo em 2007. Corretamente, acusa o Brasil pelas torturas e mortes provocadas pelas polícias nos estados, atrocidades em que o caso de Carlos Rodrigues Júnior é lapidar. O adolescente de 15 anos morreu depois de ser torturado com choques elétricos por policiais dentro de sua própria casa, em Bauru, no interior de São Paulo. Corretamente, também denuncia o caso da menina que dividiu cela com homens numa prisão do interior do Pará.

Qualquer um é livre para elogiar um país que aprova lei para torturar, à luz de tantos outros que torturam sem lei. Mas quem acha que isso não é retrocesso pode conferir o rol de técnicas medievais usadas pelos inquisidores católicos para punir suas presas. Entre o veto do dia 8 e a divulgação do relatório no dia 11, Bush, agindo como um Pinochet do norte, derrubou mais um tijolo da autoridade moral dos Estados Unidos para discutir direitos humanos.

No relatório, o governo americano corretamente censura o Brasil por ter enviado aqueles dois boxeadores cubanos de volta para Havana, entregando vítimas para o algoz. O governo brasileiro não protegia um interesse brasileiro com a deportação, só bancava a cafetina de Fidel Castro. Claro que isso não é coisa que país sério faça.

Em 2002, o cidadão canadense Maher Arar, nascido na Síria, passava pelo aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, para pegar um avião para voltar para sua casa no Canadá, quando foi detido sob suspeita de terrorismo. Ficou duas semanas preso sem acusação nem advogado. Sem poderem torturá-lo, as autoridades americanas terceirizaram o serviço. Puseram o sujeito dentro de um avião e mandaram-no para a Síria, onde foi torturado e ficou preso por um ano. Maher Arar era inocente. É um caso diferente do dos boxeadores cubanos, mas nele também se largou a vítima na mão do algoz, e isso não é coisa que país sério faça.

Arquivo do blog