quinta-feira, dezembro 19, 2013

Início da retirada - MIRIAM LEITÃO

O GLOBO - 19/12

A redução dos incentivos monetários da economia americana mexeu ontem com preços de ativos e humores dos investidores mesmo antes de ser anunciada. É uma pequena redução, de US$ 10 bilhões, mas confirma a entrada numa nova era, cuja tendência é de valorização do dólar: O Brasil vai passar por essa transição com déficit em transações correntes.

Para a economista Monica de Bolle, o pequeno movimento acaba com o debate sobre quando o estímulo seria reduzido:

— O mercado sempre tem que ter um fetiche, agora acaba o fetiche, e eu acho que na medida que foi já está no preço.

Quando compra os títulos, o Fed injeta dinheiro na economia e desvaloriza o dólar. Por isso, o dólar vinha subindo em vários países, na expectativa dessa mudança. O valor dos títulos do Tesouro americano de 10 anos subiu de 1,6% para 3% desde que se começou a falar na redução.

Há outras dúvidas sobre a economia americana. Monica da Bole, professora da PUC-Rio e consultora da Galanto, diz que um problema tem sido pouco tratado, mas apareceu no painel americano: a inflação baixa demais. Para nós, isso soa estranho, mas o fato é que a armadilha da deflação que aprisiona o Japão é sempre uma preocupação nas grandes economias. A deflação prolongada leva à recessão.

Os Estados Unidos estão se recuperando e isso é que levou o Fed a reduzir em US$ 5 bilhões a re-compra de títulos do Tesouro e outros R$ 5 bilhões de papéis imobiliários. Monica chama atenção para o PPI, índice que mede os preços ao produtor. Nos Estados Unidos, há uma relação mais direta entre os dois tipos de inflação.

— Há três meses o PPI está negativo, o que pode levar à queda dos preços ao consumidor. A recuperação èstá ocorrendo,

mas sem aumento de salário. O acordo feito no Congresso para aprovar o orçamento incluiu a revogação da ampliação do tempo do seguro-desemprego. Isso significa que quem está desempregado há mais tempo vai perder o auxílio — alerta Monica.Seja como for, o mercado financeiro já mudou suas apostas por causa do fim gradual das injeções de dinheiro na economia, conhecidas pelo nome de quantitative easing 3. E o número se refere ao fato de que no período de Ben Bemanke no Fed essa é a terceira rodada de injeção de dinheiro na economia.

Ontem foi a última reunião do Fed presidida por Bernanke. No ano que vem, assumirá a nova presidente Janet Yellen. Discute-se agora o seu legado. Ele exerceu o mandato com a preocupação central de evitar a repetição do que aconteceu nos anos 1930. Nesse aspecto, pode sair confiante de que cumpriu seu papel. Enfrentou crise grave e evitou que a economia entrasse no mesmo circulo vicioso que levou à depressão.

Cometeu erros no caminho. Demorou para ver o tamanho da bolha que se formara na economia; deixou um banco quebrar, o Lehman Brothers, provocando um episódio de pânico que sacudiu a economia do mundo inteiro, para no momento seguinte salvar todos os bancos e seguradoras que quebraram.

Despejou dinheiro na economia para combater o desemprego que chegara a 10%, e que agora volta aos 7%, e, antes de sair, deu ontem o primeiro passo para que o mercado viva sem o anabolizante de US$ 85 bilhões por mês a mais em circulação na economia. Não há um cronograma para eliminação do estímulo. É apenas um primeiro passo, mas com forte valor simbólico. Significa que para o Fed o pior passou. O caminho da normalização será longo. O nosso problema é conviver com a volatilidade do dólar nessa transição, principalmente em época de déficit em transações correntes, ou seja, as contas externas.

Arquivo do blog