sábado, agosto 29, 2009

Henri Matisse na Pinacoteca paulistana

O deus da cor

Pela primeira vez, o francês Henri Matisse é tema
de uma mostra no Brasil. É a chance de tirar a dúvida:
sua arte tem grandeza, ou apenas facilidade?


Carlos Graieb e Marcelo Marthe

Gjon Mili/Time Life Pictures/Getty Images
LUXO, CALMA E VOLÚPIA
Matisse, na velhice, retratando uma modelo

VEJA TAMBÉM

O ano era 1908, e o francês Henri Matisse (1869-1954) causava raiva e confusão com suas telas de cores intensas, que violavam todas as convenções da arte tradicional. Uma revista convidou-o, então, a explicar-se. Matisse redigiu um texto breve, "Notas de um pintor", e assim apresentou seu ideal: "Sonho com uma arte de equilíbrio, de pureza, de tranquilidade, sem temas inquietantes ou preocupantes, uma arte que seja, para qualquer trabalhador cerebral, quer o homem de negócios, quer o homem cultivado, um lenitivo, um calmante mental, algo como uma boa poltrona onde ele possa relaxar do cansaço físico". Para um público que associava o pintor à palavra fauve – "fera", em francês –, o texto soou como provocação. Ao contrário de outros documentos célebres do modernismo, contudo, o manifesto de Matisse é totalmente desprovido de ironia. Como sua longa trajetória acabaria por demonstrar, a expressão da harmonia e da serenidade foi de fato o motor constante, e único, de sua criação. Motivo pelo qual ele afinal atraiu outro tipo de opositor: aquele que, sem negar sua importância histórica, como único rival plausível de Pablo Picasso no panteão modernista, não enxerga em suas telas nada mais que complacência. Com suas paisagens mediterrâneas, suas odaliscas lânguidas, seus aprazíveis interiores burgueses, seus arabescos decorativos, ele seria, de fato, o pintor adequado para uma era hedonista e superficial. Neste sábado, 5, a Pinacoteca do Estado, em São Paulo, inaugura a exposição Matisse Hoje – a primeira do artista no Brasil, com 93 itens, entre pinturas, desenhos, esculturas e gravuras. A ocasião é imperdível, não apenas para tomar contato com um nome central da cultura do século XX, mas para descobrir se há grandeza, ou apenas facilidade, nessa arte luminosa.

Engana-se quem imagina que a luz e a cor transbordantes das telas de Matisse são reflexos de uma vida sem dores. "Meu papel é apaziguar. Porque, de minha parte, eu também preciso de apaziguamento", disse ele certa vez. Filho de um comerciante remediado do norte da França, Matisse lutou contra a oposição do pai ao projeto de ser pintor e enfrentou privações financeiras até se estabelecer na carreira, às portas dos 40 anos. Sua saúde sempre foi frágil. Ele padecia de uma insônia severa e, da juventude à velhice, passou longos períodos acamado por causa de problemas no aparelho digestivo (nos anos 40, tinha certeza de que não resistiria a uma cirurgia para a retirada de um câncer – mas sobreviveu por mais de uma década, até os 84 anos). Como observou a historiadora inglesa Hilary Spurling, sua maior biógrafa, Matisse tinha justificativas pessoais de sobra para comparar a energia de seus quadros aos gritos patéticos de um homem que se afoga – o que fez em certa ocasião.

O historiador galês Raymond Wil-liams certa vez dividiu os modernistas em duas categorias: de um lado estavam os modernistas propriamente ditos – cuja atividade se circunscrevia à busca pela inovação estética radical. De outro, havia os vanguardistas – que também eram movidos por uma agenda política e pela oposição à "ordem burguesa". Matisse foi um modernista puro. Só esteve ligado a um grupo na época do fauvismo – um dos momentos mais fugazes na vertiginosa história dos "ismos" do início do século XX. Dali em diante, ele foi um partido de um homem só. Na única vez em que mostrou interesse por um movimento político, foi para desvesti-lo de tudo que nele era... político. Por volta de 1904, Matisse deixou-se inspirar por ideias anarquistas que lhe foram apresentadas pelo amigo Paul Signac. De tudo o que os anarquistas tinham a dizer, contudo, só lhe interessou a ideia de um futuro utópico, de liberdade e beleza. Nada de destruição da ordem social – muito menos por meio da violência. Essa "alienação" o tornou alvo da esquerda. No fim dos anos 50, comunistas franceses prometiam, uma vez que chegassem ao poder, transformar uma capela decorada por Matisse, na cidadezinha de Vence, num salão de danças. O pintor, a propósito, era ateu – as religiões também não o atraíram. Seu único absoluto foi mesmo a arte.

Matisse é, de fato, acolhedor. Livres de qualquer cerebralismo, suas telas são sempre agradáveis aos olhos. Mas isso não significa que seu trabalho seja "fácil", na acepção pejorativa do termo. Da mesma forma que uma bailarina transmite graça e leveza no palco sem que ninguém note os esforços excruciantes a que seus músculos são submetidos, por trás de suas obras há sempre virtuosismo e elaboração. A exposição em São Paulo contém inúmeros exemplos disso. Vindas do Centro Georges Pompidou, em Paris, as telas Interior em Nice, a Sesta (1922) e Odalisca com Calça Vermelha (1921) são uma amostra de sua obsessão detalhista com as texturas de tecidos e tapeçarias – uma herança de sua região natal, berço de grandes tecelões. O Torso Grego (1919) – uma das principais da exposição, pertencente ao acervo do Masp paulistano – evidencia suas reflexões incessantes sobre as questões da cor e do espaço. Matisse era incansável ainda na pesquisa de técnicas e materiais. Num período em que ficou de cama por causa de sua enfermidade intestinal, ele pedia a suas modelos e assistentes que pintassem pedaços de pano e papel em cores que ele mesmo preparava, em seguida os recortava na forma de figuras como andorinhas e conchas e os pregava em suas telas e livros ilustrados. O pintor considerava que uma obra só estava completa quando transmitia com precisão as sensações que ele desejava exprimir. A tela Natureza-Morta com Magnólia (1941) – que afirmava ser sua favorita – é um testemunho de quanto isso poderia ser árduo. Matisse a refez onze vezes.

Fotos Sucession H. Matisse

ARTE ÁRDUA
Natureza-Morta com Magnólia (1941): tela refeita onze vezes

A mostra traz ainda um vídeo sobre uma empreitada do artista na virada dos anos 50: a criação da já mencionada capela em Vence, no sul da França. Estimulado por uma noviça que fora sua modelo, o pintor desenhou todo o aparato do lugar, dos vitrais à batina dos padres. Reza uma anedota que, ao ciceronear uma visita de turistas à capela, Matisse foi questionado sobre sua inspiração ao concebê-la. "Eu a fiz para meu próprio prazer", disse ele. Ao que a madre superiora do convento objetou: "Pensei que o senhor havia devotado esse santuário a Deus". Matisse encerrou o assunto com uma declaração peremptória, para escândalo da madre: "Eu sou Deus". Na ordem das coisas, tal como concebida por Matisse, o artista é de fato o deus de sua obra. Em seus quadros, ele quis criar um éden. E se não for legítimo buscar na arte, se não um paraíso, ao menos uma promessa de felicidade, então, onde será?

TÉCNICA PRÓPRIA
O Cavalo, a Amazona e o Palhaço (1947): figuras recortadas com tesoura

Arquivo do blog