quarta-feira, agosto 26, 2009

Perdas e danos no PT Fernando Rodrigues

FOLHA DE S PAULO
Está em voga no PT uma profecia segundo a qual o partido sairá da eleição de 2010 com uma bancada maior na Câmara e no Senado. Não se trata de um disparate completo, a julgar pelo desempenho da sigla em outras disputas.

O PT sempre elegeu mais deputados a cada eleição até 2002, quando Lula chegou ao Planalto. Naquele ano, 91 petistas conquistaram cadeiras na Câmara. O número caiu para 83 quatro anos depois, na esteira do mensalão.

Essa queda registrada em 2006 não se repetirá em 2010, nos cálculos dos lulistas, por duas razões principais. Primeiro, porque os escândalos atuais têm octanagem menor do que o mensalão e seus dólares na cueca. Segundo, a lambança no Congresso está sendo sepultada com mais antecedência do que as estripulias de 2005 e 2006.

Não que o PT considere positivo o espetáculo no qual Lula deu os braços a José Sarney e a Fernando Collor. Há perdas contabilizadas. A principal delas é a incapacidade de o partido ampliar sua área de influência na sociedade. Por exemplo, ser majoritário entre os eleitores de classe média mais bem informada em centros urbanos.

Daí decorre o sintomático desânimo petista a respeito da possibilidade de vitória para o governo de São Paulo, em 2010. A dúvida interna é se o candidato do PT terá 30% ou 35% dos votos no Estado dominado por tucanos há mais de uma década. Eis aí uma explicação para Lula e seus estrategistas empurrarem Ciro Gomes com tanto vigor para solo bandeirante.

O PT parece se dar por satisfeito com a simpatia dos eleitores menos favorecidos, atendidos pelo Bolsa Família. Por essa razão, a sigla deve abrir mão de ter candidato próprio aos governos de vários Estados. A prioridade é fazer grandes bancadas nas Assembleias Legislativas e no Congresso. Tudo em nome do plano maior: ficar mais quatro anos no Planalto, com Dilma Rousseff

Arquivo do blog