sábado, agosto 29, 2009

Sete mitos a respeito do consumo de água

Sete mitos sobre o consumo de água


Anna Paula Buchalla
abuchalla@abril.com.br

Montagem com fotos Istockphoto

O corpo humano é composto de 60% de água. Ela participa de praticamente todos os processos orgânicos: da regulação da temperatura ao bom funcionamento do cérebro e dos músculos.

Por isso hidratar-se – repor a água perdida na urina e na transpiração – é tão vital, como não se cansam de dizer os médicos. Tornou-se comum, no entanto, afirmar que a ingestão de água traz outros benefícios. Diz-se, por exemplo, que ela desintoxica e até ajuda a emagrecer. Ainda não há comprovação científica dessas teses. E, como ressaltam alguns especialistas, ingerir água em excesso pode causar prejuízos ao organismo. VEJA elencou os equívocos mais comuns sobre esse tema.

1 - O que se diz: beber bastante água ajuda a eliminar toxinas do organismo
O que se sabe: a função de filtrar toxinas da corrente sanguínea é dos rins; portanto, a questão aqui é saber se água em grande quantidade melhora a função renal. "A resposta é não", diz a nefrologista Maria Eliza do Amaral Carvalho, do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. "O fato de uma pessoa ingerir muita água não faz com que seus rins filtrem mais e melhor"

2 - O que se diz: para uma hidratação correta, é preciso ingerir 2 litros de água, ou oito copos, por dia
O que se sabe: a recomendação de 2 litros de água por dia não tem nenhum fundamento científico. E não há prova nenhuma de que a ingestão abundante de água seja benéfica – pelo contrário. "Muita água faz mal ao organismo", diz o nefrologista Elias David-Neto, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Em demasia, ela sobrecarrega os rins e causa a eliminação excessiva de sais minerais, principalmente sódio e potássio, essenciais para o equilíbrio orgânico. Recomenda-se beber líquidos no mesmo volume de calorias consumidas. Para uma dieta de 1 200 calorias, 1,2 litro de água. "Não precisamos de mais água do que a sede solicita", afirma. É preferível tomar pequenas doses ao longo do dia a ingerir uma grande quantidade de uma vez. E deve-se lembrar que os alimentos também ajudam na hidratação

3 - O que se diz: muita água é sinônimo de pele mais bonita e saudável
O que se sabe: "essa tese não faz sentido", escreveu recentemente, num editorial do Journal of the American Society of Nephrology, o médico americano Stanley Goldfarb, um dos principais especialistas no assunto. "A água que se ingere é distribuída para todo o corpo. Apenas uma parte ínfima termina na pele." Somente o contrário é correto: a desidratação faz com que a pele perca o viço

4 - O que se diz: água ajuda a emagrecer
O que se sabe: o melhor seria dizer que água ajuda quem está de dieta, por dois motivos: ela não tem calorias e dá a sensação de saciedade. Alguns copos de água certamente tirarão a fome, mas esse efeito dura muito pouco. "Para quem está de dieta, uma forma melhor de obter água e saciar-se é por meio de frutas e vegetais", diz a nutricionista Suzana Bonumá, de São Paulo

5 - O que se diz: ao praticar exercícios físicos, é preciso beber muita água para recuperar o que foi perdido
O que se sabe: por muito tempo, a recomendação do Colégio Americano de Medicina Esportiva era que os atletas deveriam tomar o máximo possível de líquidos durante o exercício físico para evitar a desidratação. Agora, o que se sabe é que água em excesso provoca a diluição do sódio. É o mineral que ajuda a conduzir os impulsos elétricos para os músculos, inclusive o do coração. A falta de sódio pode deflagrar dor de cabeça, desorientação e até parada respiratória

6 - O que se diz: água com gás hidrata menos e ainda causa celulite
O que se sabe: a água com gás hidrata tanto quanto a sem gás. E isso vale tanto para as naturalmente gaseificadas como para as gaseificadas artificialmente. Nenhuma delas causa celulite. "O que favorece a celulite é o açúcar dos refrigerantes, e não o seu gás", diz o dermatologista Francisco Le Voci

7 - O que se diz: a alta concentração de minérios das águas minerais pode causar pedras nos rins quando seu consumo é frequente
O que se sabe: não existe uma relação direta entre o consumo dessas águas e a calcificação dos sais nos rins. E isso mesmo em regiões onde as águas são mais pesadas, obtidas de fontes ricas em sais de cálcio. Ao contrário, uma quantidade maior de água é indicada a quem tem propensão ao problema

Águas que tratam

A hidrologia médica é o ramo da ciência que estuda o poder medicinal das águas minerais. Atribuem-se a elas, graças à presença de substâncias como flúor, magnésio e bicarbonato de sódio em sua composição, benefícios no tratamento de diversos males. Embora não haja nenhum estudo conclusivo sobre o assunto, o certo é que mal essas águas não fazem. Ou seja, podem ser coadjuvantes no tratamento de doenças. O reumatologista Marcos Untura indica o tipo e a quantidade de água que precisa ser ingerida para que o volume de minerais seja relevante. Todas as águas são vendidas engarrafadas no Brasil.



Águas premium

Elas fazem Perrier e Evian parecer simples demais. São as eleitas dos famosos de Hollywood, e o critério é um só: água chique tem de ser exótica – oriunda de aquíferos milenares conservados em seu estado natural

Fotos divulgação

Simples, mas eficientes

A Pro Teste, entidade de defesa do consumidor, avaliou o modelo básico das quatro principais marcas de filtro de água do mercado. Todos cumpriram a missão de reduzir o cloro e reter partículas sólidas presentes na água e se mostraram livres de microrganismos depois do uso continuado. Alguns se destacaram em certos detalhes:

Marcas pesquisadas
1 - Europa By Hebe SNTA – 292 reais
2 - Everest Baby – 317 reais
3 - IBBL Avanti – 199 reais
4 - Lorenzetti Gioviale – 225 reais

Uso: o filtro da marca Europa destacou-se pela facilidade de instalação e manuseio. É o único também a indicar quando está na hora de trocar a vela

Capacidade de filtragem: segundo os próprios fabricantes anunciam, os aparelhos Lorenzetti e Everest são feitos para filtrar 4 000 litros de água por ano, contra 3 000 litros das marcas Europa e IBBL. Depois disso, é preciso trocar a vela. A simulação submeteu cada um deles a esse volume, durante três meses. Todos resistiram. Os filtros Lorenzetti e Everest, portanto, têm capacidade de filtragem maior que a dos outros dois

Custo-benefício: levou-se em conta o custo da troca de velas em quatro anos. Com um gasto de 210 reais nesse período, o filtro Lorenzetti é o mais econômico

Arquivo do blog