segunda-feira, março 10, 2014

Rescaldos de Momo - JOÃO UBALDO RIBEIRO


O GLOBO - 09/03

Sic transit gloria, assim passa a glória. E a paisagem é indiferente; testemunha tudo, mas não conta nada. É o que ocorre a quem vê agora o boteco sossegado e quase silencioso, três ou quatro fregueses tamborilando nas mesas e olhando para o espaço, a televisão vagamente ligada num programa que ninguém sabe qual é, as fileiras de garrafas com um ar comportado de ponto facultativo, um pernil entediado exposto no balcão de vidro. E, no entanto, não faz bem pouco tempo que, como todos os anos, este mesmo recinto modorrento foi palco de inúmeros eventos notáveis, cuja maioria até ignoro, de tão farta a coleção. Vai-se sabendo aos poucos, à medida que mentes ressaqueadas e atacadas de uma das muitas formas de amnésia que assaltam os cérebros alcoolizados se recuperam e passam a rememorar o temido passado.

O dr. Amoroso, renomado facultativo por todos tido em alta conta, faz do bloco objeto de várias de suas pesquisas científicas. Não deixa de ser mais um mártir da ciência, porque as pesquisas frequentemente o levam a frequentar a boemia, o que é muito mal interpretado por uma minoria invejosa. Mas ele encara tudo isso com coragem, dedicação à investigação científica e desprendimento e hoje dispõe de uma base de dados invejável. Esse mesmo dito latino que eu citei tinha sido, fazia poucos anos, objeto de um desastroso equívoco, porque, depois de ouvi-lo repetido, um certo Moreira, que nunca mais dera as caras por ali, entendeu que era uma dica de cocheira a respeito de uma determinada Maria da Glória, que também costumava frequentar o estabelecimento. "Essa Glória transa", entendeu Moreira ao ouvir o ditado e, confiando cegamente no informante, partiu para a ação, só que a Glória não transava, ou pelo menos não transava com o Moreira — e foi um dia em que a casa foi quase inteiramente destruída, enquanto a Glória demonstrava ao Moreira sua posição quanto ao problema.

— É um belo estudo de caso — disse o dr. Amoroso. — Mas eu preciso de um sociólogo para me ajudar na minha tese de que, no carnaval, a única coisa em que as pessoas pensam é sexo, mesmo quando estão bebendo para esquecer o sexo. Nesse caso, eu tive de dedicar o tempo todo a consertar a cara do Moreira.

O restante do vasto corpo médico da casa se dedicou às tarefas habituais. Explicar o uso de todas as marcas de — esqueci agora os eufemismos — remédios para conseguir ereção, com especificações detalhadas. Explicar as consequências de todas as misturas de bebidas concebíveis, inclusive cerveja com guaraná e gim com cachaça. Explicar o que é coma alcoólico e se quem entra em coma alcoólico pode ser cremado por engano. Explicar se é verdade que inúmeros velhotes morrem estrebuchados, quando vão com muito entusiasmo aos dares-e-tomares, especialmente na companhia de fogosas jovens de cinquenta. Esmiuçar pormenores escabrosos sobre o "boa noite, Cinderela". Confirmar que elas se queixam de que a juventude masculina de hoje em dia não está com nada e elas preferem os coroas, pois nessa geração não tem mais homem como antigamente. Dar pareceres negativos sobre o que o companheiro de mesa está sentindo é infarto ou AVC. E, finalmente, comparecer à tarefa que invariavelmente cumprem em massa, com maior empenho no carnaval, ou seja, avaliar as muitas virtudes das moças e senhoras que desfilam pela calçada. Dr. Amoroso, compondo sonetos e elegias, sempre capitaneia esse pelotão, mas ainda não me ficou muito claro como isto se encaixa em suas pesquisas.

Dick Primavera não apareceu durante os festejos. Desde o início, o movimento feminino em torno do lugar que ele costumeiramente ocupa era acentuado, chegando a causar pequenos tumultos passageiros. Mas ele havia zarpado, em seu veleiro intercontinental, num cruzeiro em local ignorado, de onde só voltaria bem mais tarde. Contudo, sempre atento aos compromissos e à preservação de sua imagem, estabeleceu o SOS Coração Partido, em que as mais aflitas recebiam notícias recentes dele, bem como um número 0800, através do qual as telefonadoras poderiam deixar seus endereços, para receberem em casa uma carta dele impressa e personalizada, com foto romântica e asseverando amor perene. Está previsto um comitê de recepção para seu regresso ao boteco, mas parece que pouquíssimos homens serão convidados.

Nenhum desses sucessos, contudo, poderia ser suspeitado, entre as paredes quietas do boteco e suas mesas somente agora sendo ocupadas por fregueses mais antigos. Amadeu chega, com suas palavras cruzadas. Greg Belga também chega, bebe três chopes em dezoito segundos e se queda meditabundo, olhando para a rua. O senhor que sempre bebe uma cachacinha e um chope e depois vai embora, mira em frente, praticamente para lugar nenhum. O que sempre encomenda uma quentinha cochicha seu pedido ao pessoal do balcão. E assim começava e prometia terminar o dia, quando de longe aponta uma bicicleta elétrica de última geração e dela apeia o comandante Borges. Talvez agora as coisas mudassem, algo viesse sacudir aquele marasmo.

Mas o comandante não estampava a habitual catadura belicosa. Pelo contrário, sorriu para os presentes, comentou como fazia um belo dia. E, depois de abancar-se, disse ainda que seria também um belo ano, porque ele iria descansar. Havia levado tempo para perceber o óbvio. Nem depois do carnaval este ano vai começar, só depois da Semana Santa. Mas aí vem a Copa e o ano não chega a começar. Acaba a Copa, vêm as eleições e o ano ainda não começa. Acabam as eleições e o ano também acaba, sem ter nem começado.

— Com o que está aí, menos um ano vai ser um alívio — disse ele. — A única coisa boa que o governo fez.


Enviado via iPhone

Arquivo do blog