terça-feira, setembro 11, 2012

Importar engenheiros - EDITORIAL FOLHA DE SP


FOLHA DE SP - 11/09



É irracional fechar as portas do país a profissionais de Portugal, como este fez com dentistas daqui; Brasil precisa atrair quadros qualificados



Noções preconcebidas e precipitação são as fontes do erro, ensinou o filósofo e matemático francês Descartes já no século 17. Recusar açodada e impensadamente a ideia de facilitar a entrada no Brasil de estrangeiros qualificados -como engenheiros portugueses- conduzirá a equívocos danosos para o interesse estratégico do país.

A reflexão se impõe diante das respostas irrefletidas à defesa, pelo ministro luso dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, do reconhecimento de diplomas de engenheiros e arquitetos de seu país interessados em trabalhar no Brasil.

Há que ser mais cartesiano ao sopesar prós e contras da questão. O Brasil vive uma carência aguda -em quantidade e qualidade- desses profissionais do método e do rigor, herdeiros da atitude de Descartes perante as coisas do mundo.

Segundo estimativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Brasil precisa formar, até 2020, entre 70 mil e 95 mil engenheiros a cada ano. A Associação Brasileira de Ensino de Engenharia, porém, estima que em 2010 se tenham diplomado só 41 mil.

Decerto não se poderá superar tamanha defasagem só com a importação de engenheiros prontos, de Portugal ou alhures. Agiu certo o Ministério da Educação (MEC), portanto, ao fixar a meta de dobrar para 300 mil as vagas de cursos de engenharia oferecidas a cada ano no Brasil. Mas isso tampouco seria suficiente para suprir o deficit, ressalvaram os físicos Fernando Paixão e Marcelo Knobel, da Unicamp, em artigo na Folha, anteontem.

A evasão nas graduações em engenharia, assinalam os professores, é alta demais. Só um quinto a um quarto dos ingressantes termina por formar-se -segundo os autores, porque lhes faltam noções básicas de matemática, que deveriam adquirir no ensino médio.

As notas de secundaristas brasileiros no Pisa, exame internacional padronizado, são devastadoras: 88% deles não conseguem ler gráficos, ferramenta revolucionária propiciada pela invenção do sistema de coordenadas cartesianas.

Da qualidade do ensino médio à abertura de vagas de engenharia, assim, são muitas as frentes de batalha para sanar a deficiência nacional. E não há por que excluir, de antemão, o recurso a profissionais estrangeiros -desde que submetidos à avaliação expedita da solidez de seus conhecimentos.

O problema, em realidade, é maior que o da engenharia ou o dos portugueses. O Brasil precisa desenvolver, paulatina e criteriosamente, uma política racional para atrair imigrantes qualificados de qualquer parte, como fazem os Estados Unidos -onde nacionalismo e cartesianismo se combinam com enorme eficiência, e não por acaso produzem muitos dos quadros que governam o mundo.

Arquivo do blog