segunda-feira, setembro 10, 2012

A Ferrari e a China GILES LAPOUGE 




O Estado de S.Paulo - 10/09


Se você é um jovem chinês que vive em Pequim e, além disso, é filho de uma personalidade do alto escalão do Partido Comunista Chinês, a recomendação é não sair dirigindo uma Ferrari por aí. Dois enormes escândalos, um de corrupção e outro envolvendo um assassinado complicado, foram revelados recentemente depois de acidentes com duas Ferrari pilotadas por "herdeiros" de políticos importantes.

Há dois meses, uma Ferrari preta se chocou contra um pilar em uma via expressa de Pequim. O motorista morreu na hora. Não estava vestido. A seu lado, duas jovens feridas. Uma delas estava completamente nua. O fato foi noticiado brevemente pela imprensa local. Nenhuma palavra sobre a identidade do jovem. O cadáver foi incinerado sob um nome falso. A internet ferve e se questiona quem seria o morto clandestino.

Na semana passada, um jornal de Hong Kong, o South China Morning Post, elucidou o mistério. O nome do jovem era Ling Gu. Filho de Ling Jihua, que não é um qualquer, mas chefe da direção geral do Comitê Central do Partido Comunista, o que corresponde à função de chefe de gabinete do presidente Hu Jintao. Mais ainda: Ling Jihua, de 55 anos, tinha chance de ingressar no comitê permanente do Politburo, por ocasião congresso marcado para outubro. Ou seja, estava prestes a fazer parte do grupo sagrado do aparelho político chinês.

Corrupção. No entanto, isto não vai ocorrer porque seu chefe, o presidente Hu Jintao, centralizou sua carreira política na luta contra a corrupção. Ora, uma Ferrari custa muito caro e um jovem de 20 anos, como o que morreu no acidente, não teria condições de comprar uma joia como essa a não ser com o dinheiro sujo vindo, por exemplo, do seu pai.

Por isto o pai de Ling Gu, o poderoso Ling Jihua, não ingressará no centro do poder chinês em outubro. Na verdade, no dia 1.º de setembro, ele foi nomeado para um posto inferior: "chefe do Departamento da Frente Unida do Partido Comunista Chinês". Ou seja, desgraça.

Há cerca de dois anos, uma outra Ferrari emocionou a China. Era ainda mais espalhafatosa, de cor vermelha. Seu proprietário era um outro jovem, Bo Guagua, que sofreu um grave acidente com o carro quando seguia para um encontro com a filha do embaixador americano em Pequim. Bo Guagua é filho de uma figura importante, Bo Xilai, governador da gigantesca cidade de Chongqing, que também tinha boas chances de ingressar no comitê permanente do partido.

Um inquérito foi aberto, mas nada foi apurado contra o jovem. Em compensação, durante a investigação, outros fatos estranhos, sem nenhuma relação com o acidente da Ferrari, foram revelados.

Descobriu-se, por exemplo, que o sedutor Bo Xilai e sua bela e exuberante mulher estavam envolvidos em escândalos tão grandes que, para se livrarem da situação, a mulher de Bo Xilai "encomendou" a morte de um de seus cúmplices nas negociatas, o empresário britânico Neil Heywood, assassinado em um quarto de hotel.

Ferrari. Bo Xilai, hoje, é um homem politicamente acabado. Sua mulher foi condenada à morte, mas com sursis, uma estranha peculiaridade do direito chinês. Foi condenada, mas não será executada. Conclusão: vermelhas ou pretas, meus caros, desconfiem das Ferrari. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO É CORRESPONDENTE EM PARIS


Arquivo do blog