segunda-feira, junho 16, 2014

A voz da arquibancada sempre foi chula-globo-Renato Maurício Prado

O Globo

A voz da arquibancada sempre foi chula

Vou mexer num vespeiro, mas não consigo mais ficar lendo e ouvindo tanta bobagem calado. Após os já famosos coros grosseiros contra a presidenta (como ela gosta de ser chamada) Dilma Rousseff, no jogo de abertura da Copa do Mundo, no Itaquerão, vozes puritanas começam a surgir de todos os lados, defendendo uma utopia. Em resumo, dizem o seguinte: protestar, tudo bem, mas não com ofensas tão pesadas contra uma mãe, avó e principal mandatária política do país.

Ora bolas, quando a voz da arquibancada foi educada ou preocupada em não ferir susceptibilidades? Desde que me entendo por gente (e bota tempo nisso) os coros cantados nos estádios (ou arenas, como preferem os "modernos") sempre rugiram os mais ofensivos e obscenos cânticos de provocação ou louvação — sim, até para elogiar e exaltar, palavrões são usados e bem-vindos. Exemplo: "PQP, é o melhor goleiro do Brasil", como a torcida do Flamengo saudava o seu, hoje em dia encarcerado, ídolo Bruno.

Por que com Dilma seria diferente? Foi constrangedor? Foi. Eu mesmo me senti assim. Mas era pra ser. Esse é o intuito do torcedor quando reunido em massa e coro numa arquibancada.

Nesses momentos, em que há séculos as mães dos árbitros são chamadas de putas sem que ninguém (nem os próprios juízes) se ofenda, não há decoro, cuidados ou piedade.

Dias após à trágica morte do talentoso atacante Denner, do Vasco da Gama (num acidente de carro, na Lagoa), disputou-se um clássico com o Flamengo e, com o Maracanã entupido de tanta gente, a torcida rubro-negra entoava, simplesmente, o seguinte:

"Ei, você aí, o Denner já morreu, só falta o Valdir"!

Valdir Bigode era o centroavante do time da colina. Mas não pensem que a crueldade e a grosseria são exclusivas dos fãs do Mais Querido. Nos tempos em que o atual goleiro da seleção Júlio César atuava no Flamengo, as torcidas rivais o saudavam com duas musiquinhas alusivas ao fato de Suzana Werner, sua esposa, ter sido antes namorada de Ronaldo Fenômeno:

1) "Ô Júlio César, como é que é, o Ronaldinho já ... sua mulher"!

2) "Ô Júlio César, seu veadinho, sua mulher já deu o ... pro Ronaldinho"!

Edificante, não? Mas, infelizmente, é assim que a banda toca nos campos de futebol. Que o digam as poucas mulheres que se aventuram na arbitragem. São sempre chamadas em coro de gostosas, piranhas etc. Perguntem a bandeirinha Ana Paula Oliveira como a tratava a torcida do Botafogo, após cometer dois erros graves contra o Glorioso...

Duvido que qualquer um dos agora indignados já não tenha disparado impropérios dos mais vulgares, num jogo de futebol, pouco se importando se ao seu lado havia senhoras ou crianças.

Como costumava dizer o saudoso, genial (e genioso) colunista Zózimo Barroso do Amaral, "o mais refinado gentleman se transforma no mais sórdido canalha, ao sentar a bunda numa arquibancada".

Num estádio, até criancinhas se divertem, dizendo "nomes feios", na maioria das vezes sem nem saber direito o que eles significam.

Eu e minha mulher mesmo fomos surpreendidos quando levamos pela primeira vez ao Maracanã a nossa filha Luiza, então com oito anos.

Bastou um momento de distração e a pequerrucha, com sua vozinha inocente, desandou a acompanhar, a plenos pulmões, o coro que vinha da arquibancada. E era o seguinte:

"Por..., Car..., VTNC, quem manda nessa M... é a torcida do Urubu"!

Pois é... Por isso, cara presidenta, não dá pra chiar. Quem está na chuva é pra se molhar, diriam os mais velhos. Ou, "não sabe brincar, não desce pro play", como preferem os mais jovens.

Com a onda de insatisfação popular — e não apenas de "riquinhos", como tentam distorcer (que o digam as manifestações, onde o palavreado é tão chulo quanto no futebol) — é melhor evitar aglomerações. Nas ruas e nos campos.


Qual a diferença?

Quando jogam sapatos, tortas, ovos etc piores nos políticos lá de fora, aplaudimos, dizendo: se fizessem isso aqui, não haveria tanta sem-vergonhice...

Arquivo do blog