sábado, outubro 25, 2014

‘Beto & Paulinho’, de J.R. Guzzo | por Augusto Nunes - VEJA.com

'Beto & Paulinho', de J.R. Guzzo | Augusto Nunes - VEJA.com

'Beto & Paulinho', de J.R. Guzzo

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA DE VEJA

J.R. GUZZO

Diante das versões francamente incompreensíveis que o governo vem apresentando a respeito dos atos de corrupção praticados na Petrobras ao longo dos últimos anos, talvez seja útil para o leitor ter na ponta da língua os fatos registrados a seguir. Versões são mercadoria barata. Fatos, porém, são o corpo e a alma da realidade. Podem ser ignorados por quem não gosta deles, mas não mudam, e não vão embora. No caso da Petrobras, aqui estão:

Paulo Roberto Costa, chamado de "Paulinho" pelo ex-presidente Lula e um dos convidados ao casamento da filha da presidente Dilma Rousseff, Paula, em abril de 2008, foi um dos mais altos diretores da Petrobras entre 2004 e 2012. Em março deste ano "Paulinho" foi preso pela Polícia Federal, acusado de praticar atos de corrupção nas operações da estatal, e algum tempo atrás resolveu confessar seus crimes, por livre e espontânea vontade, dentro das condições legais que permitem redução de pena para réus que colaboram com a Justiça. Seu companheiro de delitos, o doleiro Alberto Youssef, ou "Beto", fez o mesmo. A partir daí ficou provado, acima de qualquer dúvida, que houve corrupção na maior empresa estatal do Brasil; é um fato que não pode mais ser apagado. Feita dentro das exigências da lei, a confissão é a "rainha das provas" – não pode ser suplantada por nenhuma outra, e é a única que garante consciência tranquila ao juiz que assina uma sentença de condenação.

O principal problema trazido pelas confissões de "Beto" e "Paulinho" não está nos atos de corrupção que eles cometeram individualmente nem nos benefícios pessoais que obtiveram. Está na sua associação direta com as empreiteiras de obras públicas, que, historicamente, figuram entre as empresas privadas mais influentes do Brasil. Até agora não se falou muito disso, mas é certo que se vai falar – e aí os empreiteiros podem ficar na situação rara, provavelmente inédita, de ser acusados criminalmente com base em provas materiais inegáveis. As construtoras contratadas para realizar obras na Petrobras fizeram pagamentos que chegaram indiscutivelmente a "Beto" e a "Paulinho"; ambos confessaram que esse dinheiro, após o desconto de suas comissões, era distribuído a diretores da estatal e a agentes do PT, do PMDB e do PP, partidos que controlam cargos-chave na diretoria, em pagamento pelos contratos que a empresa concedeu a diversas das maiores empreiteiras do país. Apenas em uma operação, já comprovada, cerca de 35 milhões de reais foram pagos a empresas-fantasma de "Beto", e "Paulinho", por sua vez, provou ter recebido um mínimo de 70 milhões, que aceitou devolver ao poder público.

O PT, segundo afirmam os dois, é quem recebia mais dinheiro do esquema – 3% sobre o valor de cada contrato que ajudava a fechar, entregues ao seu tesoureiro nacional, João Vaccari Neto, através das empresas-laranja de "Beto". O PMDB e o PP ficavam com 2% e 1%. Não vieram a público provas materiais dessas acusações. "Beto" e "Paulinho" falaram a verdade sobre si próprios; agora, para receberem sua recompensa, terão de provar que também estão falando a verdade sobre os demais acusados.

É fato público que as empreiteiras mantiveram relações íntimas com o ex-presidente Lula, um de seus filhos, diversos políticos e autoridades de primeiro nível nos governos dos últimos doze anos. O filho, "Lulinha", vendeu à construtora Andrade Gutierrez – uma das maiores do ramo, e importante fornecedora de obras para a Petrobras e o governo em geral – parte de uma empresa de videogames que foi à falência; recebeu pela venda a soma final de 10 milhões de reais. Lula participou com a Odebrecht, outro gigante da área, das negociações para a construção do novo estádio do Corinthians, em São Paulo. O ex-presidente viaja com frequência em jatinhos de empreiteiros e esteve no exterior tentando promover seus negócios internacionais.

É o que existe de real até agora. O governo, a esta altura, já deveria ter apresentado em sua defesa um mínimo de fatos que possam ser levados a sério – mas só fala que "está em curso" um "golpe de Estado", organizado pela "grande mídia", para derrotar Dilma na eleição. Não foi a imprensa nem a oposição que fizeram as denúncias – foram os amigos "Beto" e "Paulinho", e é a eles que o PT tem de se queixar se está infeliz. Golpe? O governo deveria ter mais cuidado com essa palavra. As urnas, só elas, vão decidir no dia 26 quem ganhará as eleições. Golpe é sustentar na véspera, como estão fazendo Dilma, Lula e o PT, que se o adversário ganhar a eleição não vale.



Enviado do meu iPad

Arquivo do blog