terça-feira, julho 22, 2014

Império à deriva - Jose Casado O Globo

Império à deriva - Jornal O Globo

Império à deriva

Está à deriva um império financeiro, berço de uma dinastia de banqueiros cujo código genético atravessou o último século e meio da história.

Erguido por José Maria Espírito Santo Silva (1850-1915) a partir de uma porta na antiga Rua dos Paulistas, hoje Calçada do Combro, em Lisboa, o Grupo Espírito Santo é caso singular de longevidade.

Em 1933 a casa bancária foi entregue a um dos herdeiros, Ricardo, cujo maior ativo era um amigo íntimo no poder: o ditador Antonio Salazar, descrito por diplomatas como camponês astuto, de hábitos monásticos, que aprendera na política a "elogiar o espetáculo de marionetes do esforço humano". Casado com uma Cohen, Ricardo Espírito Santo transformou o banco em procurador do Estado nazista e em ponto de conexão do tráfico de ouro de Hitler (barras com a suástica gravada eram enviadas a Portugal e créditos em moeda portuguesa eram abertos ao regime alemão.) Churchill pôs o Grupo Espírito Santo numa lista de entidades proscritas.

Sete décadas depois os negócios da família estão sob devassa em Lisboa, Genebra, Luxemburgo, Nova York, Cidade do Panamá, Rio e São Paulo. Suas contas exibem um buraco avaliado em US$ 9,5 bilhões, equivalente a 5% do Produto Interno Bruto de Portugal. O contador do grupo, Francisco Machado da Cruz, denunciou uma sucessão de fraudes, com reflexos em empresas em Portugal, Angola, no Panamá e no Brasil. Em seguida, fugiu para uma cidade brasileira.

Semana passada o Panamá interveio numa sucursal bancária. Em Angola, o presidente José Eduardo dos Santos decretou um subsídio de US$ 5,7 bilhões à filial do grupo. O valor coincide com a soma de créditos dados como "desaparecidos" na unidade angolana. O socorro com dinheiro público foi, na prática, ação de autodefesa: a família Santos e assessores detêm 43% do Banco Espírito Santo Angola (Besa).

No Brasil os acionistas da Oi/Portugal Telecom, entre eles o estatal BNDES, temem perder US$ 900 milhões. O grupo português possui 10% do controle da PT, mas conseguiu subtrair dos sócios um "empréstimo" em valor equivalente a 40% do caixa da PT Telecom.

É longo o portfólio de confusões do Grupo Espírito Santo. Ele esteve, por exemplo, no centro do episódio que detonou o caso do Mensalão.

Miguel Horta Costa, ex-presidente da PT Telecom e atual vice-presidente do grupo, mantinha relações fluidas com o ex- chefe da Casa Civil do governo Lula, José Dirceu, e o empresário Marcos Valério, o operador do Mensalão.

Em outubro de 2004, Dirceu levou Costa a uma conversa com Lula. Na época, o deputado Roberto Jefferson, líder do PTB, cobrava de Lula e Dirceu US$ 10 milhões supostamente prometidos aos petebistas. Segundo Jefferson, Dirceu o orientou a receber o dinheiro da PT Telecom, em Portugal. Na segunda-feira 24 de janeiro de 2005, o tesoureiro do PTB Emerson Palmieri foi a Lisboa na companhia de Marcos Valério. Palmieri retornou três depois, sem o dinheiro. Vinte semanas mais tarde, Jefferson foi à tribuna da Câmara e denunciou o mensalão.

Essa sombria transação, talvez, um dia possa ser desvendada a partir dos arquivos do antigo império Espírito Santo.



Enviada do meu iPad

Arquivo do blog