sábado, julho 27, 2013

Jornadas de junho, fiascos de julho - ALBERTO DINES

GAZETA DO POVO - PR - 27/07


O hóspede irradia bonomia, serenidade, franqueza, competência – em paz com a vida. Ao contrário dos anfitriões irritados, impacientes, inseguros. E canhestros. O papa Francisco está se saindo maravilhosamente bem na primeira missão ao exterior. Nota dez. Parece à vontade, talhado para o papel que desempenha, comunica-se antes mesmo de falar. Já os seus hospedeiros tropeçaram em quase todas as oportunidades e esferas, reprovados na maioria dos testes, a partir dos primeiros instantes da visita. Nota zero (sujeita a revisão em função dos lances finais do programa).

O discurso de boas-vindas da presidente Dilma Rousseff retratou fielmente os desencontros e hesitações no centro do poder. Queriam que o papa viesse avalizar um projeto de governo, mas o pontífice veio para celebrar sua fé. Em algumas mensagens, até condenou a veneração do consumo que a equipe econômica imaginava como propulsora do progresso.

A saudação da presidente foi longa, imprópria e impertinente. Não lembrava uma estadista, nem a chefe de Estado que nos últimos dois anos e meio circulou nos principais cenáculos mundiais. Dilma Rousseff subiu no palanque e transformou-se em candidata, fez a escolha menos indicada e mais imprudente para quem precisa aparecer nos próximos 15 meses como a operadora das esperanças vocalizadas nas ruas.

O grande vexame foi injustamente protagonizado pela cidade do Rio de Janeiro; porém, os responsáveis pelos sucessivos desastres – tanto no planejamento como na execução do evento – são o prefeito Eduardo Paes, o governador Sérgio Cabral Filho e seus antecessores nas últimas duas décadas.

A administração da Cidade Maravilhosa vem sendo paulatinamente desvitalizada; extraíram dela a noção de qualidade na prestação de serviços e em seu lugar deixaram que se instalasse o desleixo, a desatenção e o descuido – ao cidadão, ao usuário ou ao cliente. A obsessão por obras não foi acompanhada pelo indispensável empenho no atendimento público. O desmazelo e a incúria da máquina administrativa estenderam-se às áreas contíguas, dos grandes aos pequenos concessionários, diretos e indiretos. O que seria governança desgovernou.

A ex-capital federal não foi apenas esvaziada economicamente, tornando-se um charmoso apêndice de São Paulo. Canibalizaram o espírito inovador, a capacidade criadora e, sobretudo, o seu estilo. Perdeu escala e só não perdeu a graça porque parte do seu passado está imantado às ruas, fachadas e paisagem.

Aqueles que em meados da década passada imaginaram um infalível encadeamento de sucessos internacionais testemunham agora, a contragosto, o desmonte da miragem. Não é azar nem mau-olhado de rivais. Apenas acúmulo de negligências.

O país está transmitindo ao mundo uma perigosa imagem de ineficiência e imperícia justamente na reta final dos preparativos para os grandes eventos de 2014 e 2016. A idolatria pelos portentosos espetáculos sem a devida qualificação estrutural e humana começou a ruir nas jornadas de junho e confirma-se agora com estes fiascos de julho.

O papa Francisco chegou fazendo blague com o ditado de que Deus é brasileiro. Voltará convencido de que é a pura verdade: não fosse Deus, tudo teria sido muito pior.

Arquivo do blog