segunda-feira, julho 29, 2013

Adeus à Jornada Luiz Paulo Horta


Que houve problemas de organização, todo mundo sabe. Mas, na minha cabeça, vão ficar da Jornada algumas imagens inesquecíveis. O que pode ser mais bonito: o Papa acossado pelas mães que lhe levavam crianças para serem beijadas, ou os bandos de jovens, com suas bandeiras, caminhando pelas praias do Rio com um excesso de alegria transbordando pelo rosto? Ou a imagem final de Copacabana, coberta de gente, num dia em que o Rio mostrava toda a sua cenografia deslumbrante? Eram retratos de um possível paraíso terrestre que, para mim, deixaram na sombra os transtornos materiais. Aliás, a ideia da peregrinação não é exatamente a dos confortos prosaicos.

Mas, Jesus Cristo, de onde veio tanto entusiasmo? Não diziam que a Igreja estava se acabando, vergada ao peso de escândalos? Ela parecia bem viva, nesses últimos dias.

Mas não cabe, aqui, o menor triunfalismo — que seria, aliás, o próprio oposto do papa Francisco. Assistimos, nesses dias, a muitos milagres, e rivalidades de crença pareciam muito longe do cenário. Ontem, em Copacabana, uma faixa dizia: "Papa Francisco, sou evangélico mas te amo!". O padre, bispo e cardeal Bergoglio, por toda a vida, foi um praticante do ecumenismo. Ele sabe que o mundo de hoje é pluralista, complexo, inseguro de si mesmo, e que ninguém está à espera de uma cruzada.

Mas ele quer os jovens na rua — isso ele disse com todas as letras. Usou uma forma trinária que me lembrou demais o grande Alceu de Amoroso Lima: "Ide,/ sem medo/ para servir".

É todo o Bergoglio que está nessas palavras. "Ide": sair de si, do bem-bom caseiro, abrir o coração para os mistérios da vida, reservar um espaço para o "outro" que está do seu lado, que pode parecer um chato, mas sempre tem algo de bom. Ele poderia citar o famoso rabino Nachman de Bratislava (século XVIII), que dizia: "Devemos julgar os outros favoravelmente. Mesmo se alguém é completamente mau, devemos procurar o pedacinho de bem que está nele. Nesse pedacinho de bem, aquela pessoa não é má". Continuava o rabino: "Se, naquela pessoa, você encontra esse pedacinho de bem, e a julga favoravelmente, você faz ela passar do lado da culpa para o lado do mérito". E concluía: "Devemos aplicar essa técnica a nós mesmos. Uma pessoa deve trabalhar muito a sério para estar sempre alegre, e para fugir da depressão". Não é isso puro Bergoglio? Não foi o Cristo quem disse: "Não julgueis para não serdes julgados"?

Acho que parte da mágica que intuímos esses dias, como um sopro de luz e de vida, vem da passagem (ou da proximidade) de um mestre espiritual. Sim, Bergoglio é simpático, um paizão. Mas, reparem, ele não ri o tempo todo, ele não faz gestos teatrais. Onde é que você já viu manter três milhões de pessoas, como ontem, silenciosas durante cinco minutos, porque ele pediu um tempo de oração? O demagogo não faz isso, não quer que as pessoas pensem por si mesmas, quer exercer uma espécie de hipnotismo barato.

O papa Francisco quer que você pense, que você medite sobre esse tesouro inesgotável que é a tradição cristã. Da Virgem Maria, de quem é devoto, ele pede a graça de "guardar essas coisas no seu coração".

Ele quer que os jovens rezem — e que depois vão para a rua, inclusive para renovar a política. Não é uma religião de portas fechadas, de caráter sectário. É uma religião aberta para o mundo — mas que, do encontro com o Cristo, extrai a sua identidade.

Ele sabe em que mundo estamos vivendo. Mas sabe que o desejo da transcendência mora no coração do homem, insatisfeito numa cultura que só oferece o material e o sensório.

Ao mesmo tempo, ele faz a dicotomia "transcendência mais encarnação". O cristão recebe a visita do infinito; mas enquanto há vida, estamos acampados nessa terrinha, cercados de gente que pede justiça, pão e liberdade.

E aqui é preciso relembrar o lema trinário do papa Bergoglio: "Ide/ sem medo/ para servir". É o que ele tem feito a vida toda, e pode fazer para toda a Igreja.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/adeus-jornada-9252149#ixzz2aRh9AeSU 
© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Arquivo do blog