sexta-feira, agosto 10, 2012

Apesar de você Celso Ming

O Estado de S. Paulo - 10/08/2012
 
Depois de tanta decepção comosetorprodutivo,especialmente com a indústria, o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho , orgulhosamente apresentou ontem "a maior safra agrícola de todos os tempos".
Não era o que se esperava até há dois meses. As dez previsões, tanto do IBGE como da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), feitas até agora apontavam quebra de safra em relaçãoàdoanoanterior.Noprimeiro trimestre deste ano, o PIB agrícola sofreu queda de 8,5% sobre o primeiro trimestre deste ano. Agora, a lavoura nacional comparece para, uma vez mais, salvar o PIB nacional não sóem produção física, mas também em valor (e renda).Os principais grãos acusam escalada d epreços nos mercados internacionais de commodities.
O jogo virou. A produção de grãos deste ano, anunciada ontem pelo ministro, é de 165,9 milhões de toneladas (veja no Confira), 1,9% acima da safra anterior, "maspode chegar aos 170milhões de toneladas", diz Mendes Ribeiro.
O ministro informou,ainda,quelevou os novos números à presidente Dilma, "que ficou enormemente feliz", porque, afinal, esse importante segmento do setor produtivo não está decepcionando.
As administrações do PT mantêm em relação àa gropecuária uma visãocarregada de ambiguidades até agora não resolvidas. O partido chegou ao governo com a visão enviesada de que esse é um setor dominado pelo agronegócio (visto como predador), pela bancada ruralista do Congresso( sempre retrógrada), pelos usineiros exploradores dos boias-frias, pelos fundiários avessos à reforma agrária e às reivindicações do Movimento dosTrabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).
Os líderes do MST, que contam com uma boa retaguarda dos governos desde 2003, não se cansaram de denunciar os responsáveis pelo que chamam de destruição da agricultura familiar, à medida que grandes empresas se empenham em espalhar monoculturas de laranja, soja, cana-de-açúcar e florestas de árvores exóticas, como de eucalipto e pinus.
Essa visão ideológica foi complementada pelo diagnóstico distorcido de algunseconomistas, para os quais esse modelo agrícola tende a reconduzir o Brasil à produção de bens primários, que incorporam baixo índice de tecnologia e não se preocupam com agregar valor. Mais do que isso, entendem que o setor pretende reduzir o Brasil a um fazendão e gerar a doença holandesa que contribui para uma superoferta de dólares, que manteria o rea lexcessivamente valorizado, e para a desindustrialização. 
Em contrapartida, embora sigam contaminados por pontos de vista desse tipo, os governos do PT vêm sendo obrigados a reconhecer enormes avanços tecnológicos da agricultura brasileira moderna, a imprescindível fonte de receitas em moeda estrangeira proporcionada pelas exportações de grãos, e a importância estratégica da bioenergia, sobretudo programas do biodiesel e daprodução de etanol, e o enriquecimento do interior do País.
Mas não dá para falar que a agricultura venha contando com apoio firme do governo, tal qual dado a determinados setores da indústria, premiados comisenção tributária e créditos favorecidos do BNDES. Além disso, a atual política populista de achatamento de preços concorre para desestimular a produção de cana-de-açúcar. A agropecuária brasileira continua escrevendo uma história de sucessos, apesar do jogo contra.
Empurrão
O desempenho da agricultura, melhor do que o esperado, deve contribuir
para o aumento da procura de produtos industrializados e, assim,
ajudar na recuperação da indústria. O governo Dilma continua apostando
em que todo o setor produtivo apresentará comportamento bem mais favorável no segundo semestre deste ano. Até agora, essa reação não foi confirmada nem pelas estatísticas nem pelo estado de ânimo dos empresários.

Arquivo do blog