terça-feira, novembro 06, 2012

Chance do segundo mandato - MIRIAM LEITÃO




O GLOBO - 06/11

Os Estados Unidos vão às urnas hoje com o favoritismo do presidente Barack Obama, mas o sistema eleitoral americano é complexo demais para ser previsto com exatidão. O cenário mais provável é o presidente Obama ganhar mais um mandato e o Partido Republicano preservar seu controle sobre a Câmara, o que manteria o impasse na votação de medidas econômicas.

No Senado, a vantagem democrata deve continuar por estreita margem. Foi exatamente essa conjuntura de conflito entre os dois poderes que impediu avanços e elevou os riscos nos últimos anos.

A economia americana está melhor, mas ainda fraca. O desemprego continua alto e decisões dramáticas na área fiscal estão contratadas para o fim do ano. Obama não realizou os sonhos em nome dos quais foi eleito, e por isso a campanha não teve a mesma energia e a mobilização que a de 2008. Mas houve algumas vitórias importantes, pois ele evitou o pior na economia, aprovou a reforma no sistema de saúde - o Obamacare - e incluiu 30 milhões de americanos na rede de proteção social.

O tema do aquecimento global, que parecia tão efervescente na última eleição, esteve quase ausente agora. Até que a supertempestade Sandy lembrou a todos a emergência do assunto. A atitude serena e firme do presidente ajudou eleitores indecisos, mas os estados que realmente serão decisivos, e que vão atrair a atenção da mídia, são Flórida, Ohio, Virgínia, Wisconsin, Colorado, Iowa e New Hampshire.

Os republicanos engrossam as fileiras dos céticos do clima e foram apanhados pela tempestade numa casa sem telhado. O governador Romney havia cometido o desatino de propor a privatização da Fema - a agência federal para emergências - e do seu escritório de organização da resposta a desastres. Precisou sair de fininho da proposta insensata.

O eleito hoje, qualquer que seja, herdará uma economia melhor do que a que chegou às mãos de Obama em janeiro de 2009. Naquele ano, havia uma bomba contratada para estourar, que estourou: o desemprego que estava em 6,5% em outubro de 2008 foi a 10% um ano depois. Mas isso foi resultado da crise que ocorreu no período Bush.

Em geral, o mercado financeiro prefere candidatos republicanos, mas desta vez até eles temem a eleição de Romney. Ele criticou a política de afrouxamento monetário do Fed, que apesar de criar distorções evitou a piora da recessão. Como o mandato de Ben Bernanke vai até janeiro de 2014, o que se imagina é que se Romney for eleito o novo presidente do Fed tentará mudar a atual política.

Outro ponto de instabilidade pode ser a aplicação na prática de uma política contra a China, como prometeu na campanha. A simbiose entre as economias americana e chinesa fará qualquer guerra comercial entre os dois países ter severas consequências para o mundo. A relação bilateral é de meio trilhão de dólares por ano. No ano passado, a corrente de comércio entre EUA e China cresceu10%. Outra incerteza está no mercado de petróleo, que pode ficar ainda mais instável se houver um aumento da retórica bélica americana.

Há muita incerteza sobre o desempenho da economia em 2013 porque tudo depende de haver ou não o abismo fiscal. Esse é o nome que se dá ao fenômeno dos cortes automáticos de despesa e aumento de impostos que ocorrerá caso republicanos e democratas não cheguem a um acordo até o fim do ano sobre o orçamento. Para se ter uma ideia, a Tendências Consultoria tem dois cenários para o PIB dos EUA: em um, 2,3%; em outro, -0,3%. O maior risco continua sendo o reflexo do impasse político no país que tem o maior PIB do mundo.

Arquivo do blog