terça-feira, fevereiro 11, 2014

O desfecho trágico do radicalismo nas ruas - EDITORIAL O GLOBO

O GLOBO - 11/02


A morte de Santiago Andrade precisa levar todos a uma reflexão sobre os rumos que a atual mobilização de rua toma. Grupos radicais têm uma atuação fascista



A morte do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, atingido por um rojão no protesto de sexta-feira, no Rio, contra o aumento da tarifa de ônibus, precisa ser entendida em toda a sua grave dimensão.

Poderia ter sido uma pessoa que passasse naquele momento, um policial, um manifestante, que o fato, além do aspecto humano da tragédia, mancharia o movimento de mobilização nas ruas iniciado em junho do ano passado.

Mais até do que isso. É preciso entender por que, na democracia, alguém é morto durante uma manifestação, algo que não ocorria, desta forma, desde março de 1968, na ditadura militar, quando o estudante Edson Luís foi fulminado por um PM, também no Rio.

A tragédia começou a ser construída pelo desvirtuamento das manifestações de junho de 2013, convocadas à margem de partidos e organizações ditas sociais, a partir da internet, para externar o cansaço com a precariedade da infraestrutura de transporte, as deficiências na saúde pública e na educação.

A utilização das convocações por grupos radicais, anarquistas, black-blocs, o que seja, a fim de realizar atos de vandalismo contra o patrimônio público e privado, levou para as ruas uma violência em nível poucas vezes visto. O uso de paus, pedras, porretes, fogos de artifício, rojões antecipava o que ocorreria com Santiago Andrade. Em nota, a presidente Dilma frisou, com acerto: “A liberdade de manifestação é um princípio fundamental da democracia e jamais pode ser usada para matar, ferir, agredir e ameaçar vidas humanas, nem depredar o patrimônio público ou privado”.

A vítima ser da imprensa profissional não é um acaso. Pois cabe a ela, em qualquer país, estar presente em todas as situações que devam ser reportadas para a sociedade. Mesmo em ambientes hostis — guerras, grandes desastres naturais, etc. A possibilidade de repórteres serem atingidos por artefatos da polícia ou de manifestantes é sempre grande. Em São Paulo já houve profissionais feridos.

Nessas manifestações, desde a infiltração daqueles grupos radicais, repórteres da imprensa profissional passaram a ser hostilizados e ameaçados — uma excrescência na democracia.

A morte de Santiago Andrade precisa levar todos a uma reflexão sobre os rumos que a atual mobilização de rua toma. Deve-se entender que atacar repórteres, de qualquer veículo de imprensa, mídia dita ninja, etc. é cercear o direito de a sociedade se informar. Trata-se de uma atitude autoritária, a ser repelida pelos verdadeiros democratas.

Partidos políticos e organizações profissionais que por ventura atuem na retaguarda destes grupos têm oportunidade de afinal entender o sentido da sua ajuda. Aliam-se, na verdade, ao fascismo.

Arquivo do blog