domingo, maio 11, 2014

Mais um diário de mamãe - JOÃO UBALDO RIBEIRO

PERCA TEMPO - O BLOG DO MURILO: Mais um diário de mamãe - JOÃO UBALDO RIBEIRO
Mais um diário de mamãe - JOÃO UBALDO RIBEIRO
O ESTADÃO - 11/05

Antigamente, a família se reunia e eram sempre as mesmas caras, os mesmos nomes e as mesmas histórias


Querido Diário,

No tempo do Coelho Neto, não tinha churrascaria, tinha? Claro que não.

Não tinha nem churrascaria nem Dia das Mães e, portanto, ele não entendia nada de padecer no paraíso. Naquela época era moleza. E este ano, para variar, está prometendo: vai ser mais um Dia das Mães inesquecível. Não quanto ao local das homenagens, que é churrascaria de novo. Como sempre, houve debates acalorados sobre isto. Todo ano alguém diz que é preciso variar e que, desta vez, não vai ser churrascaria, mas sempre acaba sendo, eu nem presto atenção mais na discussão. Minha última intervenção foi há vários anos, em legítima defesa, para deixar claro que considero insultuoso me levarem para comer peixe cru com arroz papa sem sal e que, nesse caso, prefiro a sopa dos pobres do padre Celso. Não me levando para comer peixe cru, tudo bem. Eu como qualquer coisa, pizza, pastel, hambúrguer, rabada, mocotó e aquelas comidas baianas molengas e amarelosas, mas peixe cru não, tudo tem seu limite, tem que haver respeito.

Mas, como eu já te contei, haverá uma grande novidade, que é a presença de Vó Eulália, que chegou de Alagoas na quarta. Mandaram buscá-la porque ela está fazendo 90 anos, embora pareça muito menos. Eu tenho um medozinho, mas gosto dela. O mesmo, com certeza, não pode ser dito de todo o resto da família. No aeroporto mesmo, aquele lourinho, filho do outro casamento da Selminha, um chatinho catarrento e esganiçado, cujo nome eu sempre esqueço, só acho que é Fred, mas sei que não é, esse, vamos dizer, Fred, começou a encher o saco e Vó Eulália deu-lhe um puxão de orelha caprichado, que ele chegou a ficar roxo. "Se é para chorar, pelo menos chore com razão", disse ela, com aquele sorrisinho de cangaceira. A Selminha não gostou, mas eu, claro, adorei e Vó Eulália não quer nem saber se alguém não gostou. E o Fred merece. Meu Deus, o nome dele não é Fred. Ted? Eu só lembro que tem um E. Ernesto?

Isso traz à baila o problema da identidade dos familiares. No começo, eu achei até que podia estar ficando de Alzheimer, porque dei para esquecer os nomes de uma porção deles, mas depois percebi que isto está acontecendo com praticamente todo mundo numa situação parecida com a minha, até porque a família nunca é a mesma, como no meu tempo. Antigamente, a família se reunia e eram sempre as mesmas caras, os mesmos nomes e as mesmas histórias, mas agora todo mês alguém anuncia uma alteração, muito mais que a escalação de um time de futebol. É bem verdade que eu não tinha nada que tirar uma de coelha e parir seis filhos, eu era uma cretina que achava lindo ter uma família enorme e tinha fantasias de comandar a hora do almoço com um apito. Diga-se em meu favor, porém, que seis filhos naquele tempo e no meu caso não queriam dizer oito noras mais ou menos duradouras e um número indefinido de outras mais passageiras, quatro genros, sendo que um repetido, e 12 netos, entre legítimos e postiços. Isso, para não falar nos parentes dos parentes e contraparentes, é muito duro de acompanhar. Ninguém consegue se lembrar direito de oito noras e quatro genros em rodízio permanente. No hora em que a pessoa vai se acostumando, vem uma troca . Agora que tudo é informatizado, bem que eles podiam botar um chip que acendesse o nome deles no celular.

Aliás, grande bênção o celular, pelo menos na churrascaria do Dia das Mães, porque agora a juventude fica em silêncio enquanto manda mensagens para lá e para cá, ou seja, o tempo todo. Desconfio que alguns deles ainda não aprenderam a falar direito e o único órgão deles capaz de comunicação verbal é o polegar, ali teclando kd vc rsrsrs bjs e outras informações cruciais, que eles ficam mostrando uns aos outros, em vez de conversar. Me lembra cachorros cheirando uns aos outros, não sei por quê. O Marcelo, o gordinho de cabelo cacheado, também filho da Selminha, só que com o Haroldo, com certeza não sabe conversar, porque o universo dele são os joguinhos dos computadores e, quando alguém fala com ele, ele responde bzzz-strrp-vjjj-tueen, com os olhos esgazeados. E tem as fotos também, para as quais eles só olham uma vez e nunca mais, antes de distribuí-las às redes sociais do mundo todo, a gente com cara de besta e deficiente mental em todas elas.

De resto, não há razão para imaginar grandes surpresas. O meu novo genro por parte da Bia — que já não é mais tão novo assim, já vai fazer cinco anos que estão juntos, embora até hoje eu não saiba por quê e o que foi que eles viram um no outro —, o Gilberto, o nosso Betão, vai encher a cara de chope, vai ficar com os olhos marejados e fazer um discursinho em que vai me chamar de bimãe outra vez. Bi, como em bicampeonato. Bimãe porque eu sou avó, mãe duas vezes, sacou? Ele é um gênio. Espero que não fique muito entusiasmado e não chame Vó Eulália de trimãe porque não vai resultar bem, até porque ninguém sabe tantos palavrões e tem tanta disposição para mostrar isso do que Vó Eulália.

Mas, querido, eu fico falando assim e parece que não gosto da família, que sou uma desnaturada insensível, que não dou valor às coisas mais importantes desta vida. Mas nada pode estar mais longe da verdade. Eu adoro a família, adoro ser mãe e avó, sério mesmo. Esses senões acontecem a todos de uma forma ou de outra, e devemos pôr as mãos para o céu porque não temos nenhum problema grave, como tantos outros. É só que, de vez em quando, dá vontade de ter uma folguinha de tanto padecimento paradisíaco. E, sim, bimãe não sou eu. Betão e Vó Eulália sabem quem é.


Enviada do meu iPad

Arquivo do blog