sábado, maio 22, 2004

Diogo Mainardi Minha entrevista com Lula

"Quando um candidato não comparece a
um debate, é comum substituí-lo por uma
cadeira vazia. Entrevistei uma
cadeira vazia"

Pedi uma entrevista a Lula. Ele não deu. E acrescentou: "Esse tal de Mainardi, nem sei aonde fica". Decidi então entrevistar seu mais célebre imitador, o Bussunda, do Casseta & Planeta. Ele responderia em nome do presidente, no falso gabinete do falso Palácio do Planalto. Bussunda não concordou. Achou melhor não se associar a mim. Pensei em entrevistar outro imitador. Há muitos por aí. Fernando Henrique Cardoso imita Lula. Lulu Santos imita Lula. Até num torneio de dominó em Joinville apareceu um imitador de Lula. Chama-se Romualdo Caldeira de Andrada. Acabei desistindo da idéia. Quando um candidato não comparece a um debate na televisão, é comum substituí-lo por uma cadeira vazia. Entrevistei uma cadeira vazia:

O irmão de Celso Daniel declarou à Justiça que o dinheiro das propinas de Santo André era entregue diretamente a José Dirceu. Por que ele mentiria?

...

O senhor se cercou de assessores provenientes da prefeitura de Santo André, como Gilberto Carvalho e Miriam Belchior. O senhor não acharia conveniente suspender esses funcionários até o assassinato de Celso Daniel ser definitivamente esclarecido?

...

Quando o senhor anunciou que dobraria o valor do salário mínimo e criaria dez milhões de empregos, sabia que seria impossível cumprir essas metas ou acreditava em suas promessas? A hipótese mais benévola é a de que o senhor mentiu despudoradamente na campanha eleitoral, disparando um monte de asneiras em busca de votos. A hipótese menos benévola é a de que o senhor nunca parou para pensar o que de fato faria se ganhasse as eleições. Qual a hipótese correta?

...

O senhor costuma ser comparado a Fernando Henrique Cardoso na gestão da economia, mas é uma injustiça, porque seu governo interrompeu as privatizações, contratou 50 000 novos funcionários públicos e inflou a folha de pagamento do Estado. O resultado foi o aumento de impostos, o aumento do desemprego e a menor taxa de crescimento da história do Brasil, num primeiro ano de mandato. Como o senhor se sente quando o comparam a seu predecessor?

...

O senhor alardeia a reforma previdenciária como uma de suas maiores conquistas, mas ela nem terminou de ser votada pelos parlamentares. Se a proposta original já era insuficiente, o que pensar depois da PEC paralela? Daqui a quanto tempo ela precisará ser modificada?

...

O senhor cancelou a licitação de duas plataformas da Petrobras, com o argumento de que deveriam ser construídas no Brasil. Esse seu populismo nacionalista custará uns 5 bilhões de dólares aos contribuintes. Por que o senhor não vende a Petrobras?

...

O senhor acredita que a reportagem do New York Times sobre seu hábito de beber faça parte de uma trama internacional? Quem teria tramado e qual o motivo da trama?

...

O senhor pretende nos agraciar com um segundo mandato?

sábado, maio 15, 2004

Diogo Mainardi Abstinência da razão

15/5/2004

"A vida pública nacional é uma mistura
de hipocrisia, conchavo e acobertamento.
Pior ainda é essa gente que nos governa"

Não sei se o desempenho de Lula é afetado pelo consumo de álcool. Pode ser que sim, pode ser que não. Não descarto inclusive que tenha um efeito benéfico sobre ele. Se Lula parar de beber, nada garante que não decrete moratória na mesma hora. O correspondente do New York Times não disse que o presidente bebe demais. Não disse que o álcool afeta seu desempenho. Não disse que essa é uma preocupação nacional. A única referência nesse sentido está contida no título da reportagem. Lula só leu a primeira linha, aquela com letras bem grandes. O que o correspondente do New York Times disse foi apenas que alguns políticos e jornalistas começam a se perguntar se o hábito de beber do presidente não estaria afetando sua capacidade de governar. Não há nada de errado em se perguntar uma coisa dessas. Errado seria não se perguntar. Nas rodas de políticos, nas redações de jornais, em reuniões de empresários e no cineminha do Alvorada, é comum ouvir essa preocupação. Pode ser injusta, pode ser ofensiva, mas está lá, correndo à boca pequena.

Lula disse que um presidente não tem de responder a sandices como a do correspondente do New York Times. Claro que tem. Não é sandice nenhuma. Pelo contrário. Considerando que a imprensa não se cansa de retratá-lo com um copo na mão, é perfeitamente legítimo o interesse em saber quantas doses de uísque ele toma, e se isso pode prejudicar seu desempenho. Na realidade, não há nenhuma pergunta que não possa ser feita a um político. E não há nenhuma pergunta que um político possa se recusar a responder. Lula não admite isso. Acostumou-se com uma imprensa que está sempre a seu serviço, domesticada, oferecendo cumplicidade. O espanto do presidente foi tão grande que a melhor reação que lhe ocorreu foi anular o visto do correspondente do New York Times e chutá-lo para longe do país. É a atitude mais ignóbil da história do Brasil democrático. Lula agiu como a rainha de copas de Alice no País das Maravilhas, que manda cortar a cabeça de quem a contraria.

O presidente pode deportar quem ele quiser, mas isso não altera o fato de seu consumo de bebidas alcoólicas ser um tema político relevante. Em primeiro lugar, o gosto por uma cachacinha foi usado como peça de propaganda eleitoral, reforçando sua imagem popular, contraposta à do pedante Fernando Henrique Cardoso. Ou seja, rendeu-lhe votos. Em segundo lugar, coloca-o na mão dos políticos. Quem espalha aos jornalistas que o presidente bebeu nesta ou naquela reunião reservada são os deputados e senadores dos partidos aliados. Qual o motivo? Não seria para enfraquecer o governo e, dessa forma, forçar a liberação de emendas e a nomeação de seus apadrinhados para órgãos públicos? O copo de uísque do presidente, nesse caso, teria um preço elevado para o contribuinte.

O New York Times feriu o orgulho pátrio. Políticos e jornalistas saíram em defesa do presidente, condenando a reportagem. Os mesmos políticos e jornalistas que, em privado, trocam comentários maliciosos sobre o assunto. A vida pública nacional é uma mistura de hipocrisia, conchavo e acobertamento. Pior ainda é essa gente obtusa e truculenta que nos governa. Guido Mantega disse que o New York Times obedece a interesses econômicos estrangeiros. Luiz Gushiken alertou contra ameaças à soberania nacional. José Genoíno sugeriu expulsar o correspondente do jornal, idéia prontamente acatada pelo presidente. Como sempre, descambamos para o nacionalismo autoritário. Como sempre, caímos na bananice. Como sempre, erramos do começo ao fim.

Meu conselho ao presidente 24/3/2004

"O álcool é o pior problema do Brasil. Lula deveria dar o exemplo e parar de beber em
eventos a que comparece. No primeiro ano
de governo fomos informados sobre tudo o
que ele bebeu em cada encontro político ou social"

Dou um conselho a Lula. Pare de beber em público. O álcool é o pior problema do Brasil. Pior do que a fome. Pior do que o desemprego. Pior do que a criminalidade. Pior do que a saúde pública. Porque ele agrava todos os outros problemas. Sessenta e cinco por cento dos acidentes fatais nas estradas estão relacionados ao consumo de álcool. Setenta por cento dos assassinatos também. Calcula-se que o alcoolismo seja responsável pela perda de 5% do PIB. Coisa demais para um país pobre como o Brasil. Coisa demais para um país em recessão. O combate ao alcoolismo deveria ser uma prioridade do governo.

Só que, para funcionar, Lula deveria dar o exemplo. Deveria parar de beber em eventos a que comparece. No primeiro ano de governo fomos informados sobre tudo o que o presidente bebeu em cada encontro político ou social. As notícias da imprensa a seu respeito sempre vieram acompanhadas por detalhes de suas preferências alcoólicas, independentemente do tema tratado. Sobre a reforma ministerial: "Antes de iniciar o jantar, tomando uma dose de uísque, Lula falou sobre quanto é difícil demitir um amigo". Sobre a lei orçamentária: "Enquanto comia um churrasco e bebia uísque, Lula afirmou que a receita não estava prevendo aquela arrecadação". Sobre suas viagens pelo interior do país: "Lula comeu einsbein com uísque Johnny Walker Black Label".

Lula costuma argumentar que ninguém pode resolver os problemas do Brasil com canetadas. Pode sim. Uma boa canetada pode eliminar o artigo da Constituição que permite aos infratores recusar-se a se submeter ao teste do bafômetro. Outra boa canetada pode proibir a venda de bebidas alcoólicas nas estradas. Outra boa canetada pode aumentar o imposto sobre o álcool. No supermercado perto de casa, uma garrafa de pinga custa 2,68 reais. Menos do que um litro de leite longa vida. Difícil imaginar que um país em que uma garrafa de pinga custa menos do que uma de leite possa prosperar.

Não se trata de uma questão moral ou de etiqueta. Nem de perda de autoridade. Lula deve parar de beber em público simplesmente porque o Estado não tem dinheiro para arcar com os custos do alcoolismo. No Congresso Nacional existem muitos projetos de lei que visam a limitar a propaganda das bebidas. O primeiro a ser atingido deveria ser o próprio presidente. Ele é o maior garoto-propaganda da indústria do álcool. Se parasse de aparecer com copos de uísque na mão, já seria um bom passo. Se, além disso, ele se abstivesse de tomar álcool e se engajasse numa campanha contra a bebida, o Brasil só teria benefícios. Lula até agora fracassou em todas as áreas. O saldo de seu governo é muito negativo. Parando de beber em público, ele finalmente seria recordado por algo de bom.

Mario Sergio Conti Se você pensa que cachaça é água



15.05.2004 | O presidente Jacques Chirac tem um problema com álcool. Num país onde o vinho é a bebida nacional, Chirac gosta mais de cerveja. A França é o país que mais consome vinho no mundo: são 75 litros por francês ao ano. Os maiores tomadores de cerveja são os checos (160 litros/habitante/ano), seguidos de perto pelos irlandeses (155 litros). A França vem em trigésimo-quinto lugar (39 litros) – e o Brasil em vigésimo-sétimo (50 litros).

O que talvez seja mais grave, Chirac prefere a cerveja belga à nacional. Ele está na contramão não só do gosto popular como do seu eleitorado específico: na França, a cerveja é tomada principalmente pelos jovens, e a maioria dos que votam em Chirac tem mais de 45 anos.

Não que o presidente não aprecie ou não tome vinho. Quando a rainha Elisabeth II, da Inglaterra, esteve em Paris no mês passado, Chirac ergueu um brinde a ela no jantar de gala com uma taça de um excelente vinho da Borgonha, um Chateau Mouton Rotcshild.

Em campanha eleitoral, ou em visita a feiras de agricultura e alimentação, Chirac toma um golinho de tudo o que os eleitores ou expositores lhe oferecem: conhaque, calvados, cidra, champanhe, armagnac, poire etc. Mas com amigos, em restaurantes e brasseries, o presidente sempre pede cerveja belga.

Os hábitos etílicos do presidente não configuram uma preocupação nacional. Mas sazonalmente aparecem referências na imprensa. E quando se fala com um francês sobre bebidas, é batata: vem a informação, seguida de um muxoxo ou de um sorriso maledicente, de que o presidente gosta de cerveja belga.

***

O presidente Lula tem um problema com álcool?

Nas vezes que estive com ele, não notei problema algum. Uma vez, ele almoçou no restaurante que havia no andar de cima da redação de “Veja”. Tomou, como todos os outros que estavam à mesa, uns dois copos de vinho. Depois, ele e um assessor tomaram uma dose de licor Stregha.

Há quatro anos, durante um jantar num restaurante no Jabaquara que ele frequentava, onde havia um excelente camarão à provençal, Lula bebeu uma dose de uísque e, quando muito, dois copos de cerveja. Era uma conversa sem objetivo definido.

Na campanha para as prefeituras de 2000, acompanhei Lula durante uma semana para fazer uma reportagem. Fomos ao Rio Grande do Sul, ao Paraná e a Pernambuco. Ele bebia em alguns almoços e em outros, não. No jantar, bebia sempre. Tomava a bebida que lhe oferecessem. Se houvesse uísque, de uísque ia. Duas doses, no máximo. Aqui em Paris, no ano passado, num coquetel de fim de dia, assim como os cinco ex-primeiros socialistas que estavam na embaixada do Brasil, o presidente tomou vinho.

Já bebi com outros presidentes: Ernesto Geisel, José Sarney, Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso. Alguns beberam menos (Sarney), outros mais (Lula), mas todos cabem na categoria de bebedores sociais: aquele a quem o álcool não afeta o desempenho profissional e o equilíbrio emocional. Nunca o vi nenhum deles bêbado, ou um pouco alterado, ou eufórico, por ter bebido demais.

***

Se nunca demonstrou ter problemas com bebida, Lula passou a beber mais, ou em excesso, ao se tornar presidente?

Dois conhecidos (gente de cinema) que participaram de projeções de filmes no Palácio do Alvorada me disseram que o presidente bebeu muito. Um deles contou: duas doses, grandes, de uísque, antes do filme. Durante a projeção, um garçon não deixou o copo do presidente esvaziar. No jantar, ele tomou vinho. Depois, fez um discurso que o meu interlocutor considerou desconexo. Ambos me disseram que o presidente falou palavrões à torto e à direito. E usou uma expressão bem grosseira – que não irei reproduzir por receio que o Planalto me obrigue a voltar ao Brasil).

Dois outros amigos, jornalistas, contaram que se bebia bastante nos churrascos e peladas de fim de semana na Granja do Torto. O que pode parecer uma grande revelação, mas alguém já foi a um churrasco com futebol onde não se bebesse tonéis de cerveja ou caipirinha?

Passei a acompanhar o noticiário político pela lente etílica. Repetidas vezes, notícias envolvendo o presidente relataram com detalhes, de passagem, como quem não quer nada, o que ele bebeu. Exemplo: o jantar com jornalistas na casa de uma colunista em Brasília.

Houve referências explícitas. O presidente da CUT disse que o presidente bebeu antes de tomar uma determinada medida. Uma colunista de economia repetiu o mesmo raciocínio, mas em relação a outra medida. Carlos Heitor Cony escreveu na “Folha” que o presidente é chegado a um “aperitivo”.

Começaram então as piadas. Em telefonemas e emails. E também de gente de passagem por Paris, inclusive funcionários do governo. Algumas delas caíram na internet. Aqui mesmo, no “Nominimo”, Tutty Vasquez disse que o novo avião presidencial vai se chamar “Air Force Fifty-One”. Segundo me contaram, um programa humorístico de televisão, chamado “Casseta e Planeta”, também fez graça com os supostos exageros etílicos do presidente.

Aí comecei esperar a reportagem. Era fatal que alguma publicação da grande imprensa se dispussesse a esmiuçar a relação de Lula com a bebida. Se políticos e jornalistas, se os poderosos, se o magma onde se fundem as fofocas brasileiras falava de Lula e bebida, a pauta estava dando sopa e alguém iria transformá-la em matéria. Ainda mais numa quadra em que a popularidade do governo estava em queda.

***

Leon Trotsky escreveu na sua biografia de Stálin, que ficou inacabada porque Stálin mandou que lhe cravassem uma picareta de gelo na cabeça, que na Rússia a expressão que designa um alcólatra na última linha é “mais bêbado que um sapateiro georgiano”. E lembrou em seguida que Stálin era filho de um sapateiro georgiano. Acusar o adversário de bêbado é moeda corrente na luta política.

Não apenas porque o excesso de álcool altera a capacidade de discernimento. O alcolismo é problema de saúde pública na maioria dos países. (Nos países muçulmanos, Alá seja louvado, pelo menos esse problema não existe).

Em si, dependendo da personalidade do político, o consumo de álcool independe não só das idéias que ele defende como não tem ligação direta com a sua capacidade de elaboração e liderança. Hitler não bebia. Churchill bebia feito um gambá – uísque e champanhe – o que não o impediu de ser um democrata e liderar a resistência contra o fascismo.

O alcoolismo é um problema na Rússia há quinhentos anos, quando foi inventada a vodka. Trotsky, que não bebia, tinha idéias de como combater o alcolismo. Perdeu o poder antes de colocá-las em prática. Stálin, que bebia (sobretudo vinho georgiano, que é ruim paca), ordenou durante a Segunda Guerra Mundial que se desse uma dose de vodka todas às noites a cada soldado do Exército Vermelho.

Mikhail Gorbachev quis controlar a produção de vodka. Àquela altura, 40% da população masculina russa padecia de alguma forma de alcolismo.

(Essa é uma questão complicada: o que é o alcolismo? Tecnicamente, uma pessoa que bebe diariamente é alcólatra, pois não concebe a existência sem bebida. É um viciado, um dependente. Mas geralmente é considerado alcoólatra aquele cuja vida é atrapalhada pela bebida: ele perde o emprego, agride a mulher, precisa beber de manhã etc).

Boa parte da produção de vodka, durante os anos confusos da glasnost e da perestroika, caiu na ilegalidade. Ela passou a ser destilada em alambiques clandestinos, que produziam veneno, literalmente. Entre outros motivos, Gorbachev se tornou impopular, sobretudo nas camadas mais pobres, porque quis limitar o consumo de vodka.

Seu sucessor, Boris Ieltsin, fez campanha e foi eleito, também entre outros motivos, porque prometeu diminuir o preço da vodka. Ieltsin era (é ainda?) alcoólatra, em qualquer sentido que se dê à palavra. No congresso do Partido Comunista em que ele rompe com o stalinismo, a televisão mostrou, ele andava pelos corredores do plenário em ziguezague, bebadaço.

Vladimir Putin foi reeleito prometendo não aumentar o preço da vodka. Mas ele nunca bebe em público. Só vai de água mineral. E tem imagem de esportista, se vangloria de lutar bem judô. A imprensa russa diz que ele é mais popular entre as mulheres do que entre os homens. Justamente porque não bebe: o alcolismo, em qualquer país, é uma doença eminentemente masculina.

***

Durante a campanha eleitoral, Lula declarou que gostava de tomar uma cachacinha. Na sua coluna em “Veja”, em setembro de 2002, Diogo Mainardi escreveu que gostaria de saber quantas cachaças Lula gostava de tomar por dia. Como eleitor, a informação lhe parecia pertinente: uma coisa é votar em quem toma uma cachaça de vez em quando; outra, votar em quem toma quatro por dia. Mainardi, se não me falha a memória, deu o exemplo de Jânio Quadros, um pau d’água que chegou à presidência sem que se questionasse a sua resistência ao álcool.

No mês passado, Mainardi voltou a associar Lula e bebida. Ele sugeriu que o presidente parasse de beber em público, para não parecer que esteja incitando o consumo de álcool.

A sugestão é sensata, em termos de saúde pública. No Brasil, o alcolismo está entre as dez maiores causas de internações clínicas. Ele é responsável também por 10% das faltas ao trabalho e 80% dos acidentes de trânsito. E também pela degradação, pela ruptura familiar, pela infelicidade e traumas de crianças: quem tem ou teve amigos alcólatras sabe do que estou falando.

Como o problema existe, é pertinente todo esforço para não banalizar o consumo de álcool. É só por esse motivo que na França é proibida a propaganda de álcool – assim como de cigarro. Inclusive cerveja, que só no Brasil não é considerada uma bebida alcólica.

***

Para vexame da imprensa brasileira, a esperada reportagem sobre Lula e a bebida foi feita por Larry Rother Jr e acabou saindo no “New York Times”.

A reportagem é pertinente. Não conta nenhuma mentira. Fala das conversas sobre o assunto. Diz que quase ninguém quer se pronunciar em público sobre o tema. O correspondente tentou ouvir o porta-voz do presidente. Repetiu algumas piadas. Reproduziu algo do que havia sido publicado a respeito: frases fora de contexto de uma coluna de Diogo Mainardi, uma piada da coluna na internet de Claudio Humberto Rosa e Silva, um comentário de Ali Kamel n’“O Globo” – sendo que esse último defendia que havia preconceito contra Lula). O mais importante: Larry Rother reconheceu claramente que era impossível dizer se havia um problema do presidente com a bebida.

A reportagem do “New York Times” não é uma denúncia. Ela me pareceu uma típica matéria de correspondente estrangeiro, numa edição de domingo carregada de tortura no Iraque: é leve, trata de um tema pouco importante, busca retratar uma situação entre o exótico e o folclórico, traz uma foto engraçada com Lula rindo, de chapeuzinho vermelho, segurando uma caneca de cerveja acima da cabeça.

A matéria tem uma estupidez: o título. Ele diz que o jeito de Lula beber tornou-se “preocupação nacional”. O erro não foi de Larry Rother, que em nenhum momento usa a expressão “preocupação nacional”. Foi um erro de edição.

Certamente que a reportagem poderia ter sido melhor, mais completa. Qualquer publicação brasileira (exceto o “JB”), teria recursos para fazê-la. Não a fizeram porque não quiseram. Quem a fez foi Larry Rothman, do jeito dele. Um jeito isento e profissional, como disseram o diretor de redação do “Times” e o ombudsman do jornal.

***

Aconteceu o que se sabe. Políticos da situação e da oposição enrolaram-se em estandartes auriverdes e saíram em praça pública, rufando tambores contra o ultraje à honra nacional. O imperialismo ianque foi fustigado. A notória associação do Departamento de Comércio americano com Larry Rother foi exposta. A sobejamente conhecida incapacidade da imprensa americana de produzir uma reportagem decente foi repisada. Veio a nu o sórdido complô entre o ex-porta-voz de Collor, Brizola e as multinacionais. A decadência inevitável do “New York Times” (vide Jayson Blair!) foi confirmada e reconfirmada. Um exaltado chegou a dizer que o jornal está ainda pior que o “JB”. A nota oficial do Palácio do Planalto usou o termo “amiúde”, esclareceu que os hábitos do presidente não diferem do dos seus compatriotas e nos informou, sisuda, que às vezes Lula trabalha “mais de doze horas” por dia.

O Brasil estava unido contra o nefando Rother, o seu jornal empulhador e o sinistro torturador George W. Bush. O Brasil defendia com gunhas e arras o seu presidente. O Brasil se insurgia contra os dragões da maldades. Emocionado, derramei algumas furtivas e patrióticas lágrimas no bar mais próximo, o Poliveau, entornando um copinho de poire – sim, confesso, eu era um admirador da Turma do Poire, liderada por Ulysses Guimarães, um bebe-quieto por excelência.

No dia seguinte, o presidente acordou invocado e expulsou o jornalista peçonhento. Tudo se transformou no seu contrário. Lula foi chamado de tacanho, turrão, beócio, primitivo, prepotente, arrogante, destemperado.

Passaram mais alguns dias e o presiente, magnânimo, voltou atrás na expulsão, apesar do jornalista não ter pedido desculpas. Chamaram a turma do deixa-disso. Acochambraram. Medraram. Deram um jeitinho. Acabou em pizza.

Para desespero de meus familiares, desde o início da “crise” passei a cantarolar os versos irmortais:

“Se você pensa que cachaça é água
Cachaça não é água não
Cachaça vem do alambique
E água vem do ribeirão”.

A marchinha não me sai da cabeça. É um inferno.

***

Como fica a imagem brasileira no exterior?

Nenhum jornal francês repercutiu a reportagem do “Times”.
Eles deram notas curtas sobre a expulsão do correspondente americano, comum resumo sumário da matéria de Larry Roth.

Para se ter um exemplo do senso de proporção: o “Monde deu dez linhas sobre Lula, “Times” & bebida. E deu na íntegra, em uma página inteira, o relatório da Cruz Vermelha sobre as tortura dos militares americanos no Iraque. Engraçados os franceses, não? Eles se interessam por assuntos absolutamente marginais. Não captaram o que havia por trás da matéria do “Times”.

No caminho do restaurante, para jantar com um amigo francês, Alain, ele me perguntou: Que história é essa do “Monde” de hoje que o presidente do teu país bebe? Chegamos ao restaurante, as crianças nos distraíram, o assunto mudou, falamos do Iraque, de anti-semitismo na Alsácia, de “Cidade de Deus”, dos filhos, das perspectivas de Chirac para 2007, das Olimpíadas. E por aí foi. Esquecemos de Lula.

Ninguém está preocupado na França com o Brasil, com o seu presidente, beba ele ou não. Houve um período, entre a eleição e, digamos, um ano depois da posse de Lula, quando se acreditava que o PT fosse oferecer uma alternativa à esquerda, que o Brasil foi levado a sério. Esse período acabou. Ninguém quer mais saber de nós.

Nem nós, brasileiros. É infindável a nossa capacidade para nos envolvermos em discussões estéreis. Vocês passaram um mês debatendo aí se aquele sambista bêbado deveria ter deixado de fazer propaganda da cerveja A para fazer da B. Depois vocês passaram mais um mês falando de bingo. E agora derrubaram florestas e secaram rios de tinta para atacar o americano, defender o presidente, e depois defender o americano e atacar o presidente. Como se isso tivesse alguma importância. Como se isso fosse resolver algum problema nacional. Nenhum brasileiro melhorou ou piorou de vida com a reportagem de Larry Rother e a gritaria que se seguiu a ela. O Brasil continuou na mesma. O Brasil não sai da mesma. Essa é a sua tragédia.

segunda-feira, maio 10, 2004

Diogo Mainardi Quero entrevistar o Lula


"Duda Mendonça prometeu me ajudar.
Agradeci
e perguntei: 'O presidente
apresentou como novas ambulâncias
repintadas. Ele não é como
uma ambulância
velha, repintada pelo senhor?' "

Acordei invocado. Peguei o telefone e liguei para o Palácio do Planalto.

– Quero entrevistar o Lula.

A telefonista transferiu a chamada para a Secretaria de Imprensa do presidente. O chefe do departamento, Ricardo Kotscho, informou-me que iria encaminhar o pedido de entrevista ao responsável pelo agendamento, acrescentando, de forma desalentadora, que uma penca de jornalistas de todas as nacionalidades estava à minha frente.

Como eu continuava invocado, e não queria saber de esperar meses e meses, liguei para o Ratinho, que recentemente conseguiu furar a fila de jornalistas e entrevistar Lula na Granja do Torto, com direito a churrasco e recital de sanfona. Ratinho se comprometeu a interceder em meu favor, aconselhando o presidente, seu amigo, a me receber prontamente. Ratinho me assegurou também que eu ficaria encantado com Lula, porque sua equipe é uma porcaria, mas ele é uma pessoa da melhor qualidade, tanto que foi o único que se preocupou em distribuir dentaduras aos pobres.

O empenho de Ratinho não aplacou meu ímpeto. Resolvi ligar para Duda Mendonça. Sua secretária despejou sobre mim uma gravação de Caetano Veloso cantando Nirvana. Fiquei ainda mais invocado do que antes. Duda Mendonça explicou que raramente se encontra com Lula, mas pretende vê-lo na semana que vem, para mostrar-lhe sua última campanha publicitária, aquela que compara dados de doze meses de Fernando Henrique com os de catorze de Lula. Duda Mendonça prometeu me ajudar a conseguir a entrevista. Agradeci e perguntei:

– O presidente apresentou como novas cinco ambulâncias que tinham sete anos de uso, mas foram repintadas para a ocasião. Ele não é como uma ambulância velha, repintada pelo senhor?

Modestamente, Duda Mendonça respondeu que não. Ele foi o maior responsável pela eleição de Lula. O destino o puniu infligindo-lhe a contratação de Luis Favre, o marido da prefeita Marta Suplicy.

A seguir, pensei em telefonar para José Dirceu, mas li que ele não apita mais nada no governo. Liguei então para Frei Betto, um dos melhores amigos de Lula. Ele não me atendeu. Voltei a ligar no dia seguinte. Ele estava em reunião. Liguei no outro dia. Ele continuava em reunião.

Cada hora mais invocado, procurei na internet o número da Secretaria de Comunicação e liguei para Luiz Gushiken. Como ele não estava, falei com um de seus assessores, que me recomendou ligar para o todo-poderoso secretário particular do presidente, Gilberto Carvalho. Antes de trabalhar com Lula, Gilberto Carvalho era o principal colaborador do prefeito assassinado de Santo André, Celso Daniel. O irmão de Celso Daniel, em depoimento à Justiça, acusou Gilberto Carvalho de conhecer os esquemas de propina da prefeitura e de ter entregue, pessoalmente, o dinheiro arrecadado a José Dirceu. Ocorreu-me que, além de pedir uma entrevista, valeria a pena aproveitar o telefonema para ouvir a versão de Gilberto Carvalho sobre o caso, mas ele preferiu não retornar minhas ligações.

No futuro, quando eu acordar invocado, acho mais fácil falar com o Bush.10/5/2004

domingo, maio 09, 2004

"NYT" diz que excesso de álcool afeta Lula

DA REDAÇÃO

O jornal "The New York Times", o principal dos EUA e um dos mais influentes do mundo, publica na página 6 da edição de hoje uma reportagem com o título "Hábito de bebericar do presidente vira preocupação nacional", na qual descreve supostos excessos alcoólicos de Luiz Inácio Lula da Silva. O texto é acompanhado por uma foto de Lula, do ano passado, bebendo cerveja na Oktoberfest (leia íntegra ao lado).
A Secretaria de Imprensa da Presidência afirmou ontem que o texto "não é jornalístico", mas uma manifestação de "calúnia, difamação e preconceito". O governo só deve se pronunciar sobre as medidas a respeito da reportagem do "NYT" amanhã. A Folha apurou que o Palácio do Planalto deve acionar o jornal na Justiça.
O longo texto, escrito por um dos correspondentes do jornal no Brasil, Larry Rohter, compara o suposto hábito de "tomar bebidas fortes" de Lula ao de Jânio Quadros (1917-1991) e afirma que a inesperada renúncia do então presidente em 1961 conduziu o país ao golpe militar de 1964.
O texto diz ainda que o presidente freqüentemente aparece em fotos com um copo na mão e com os olhos e as bochechas vermelhas, mas que poucas pessoas ousam expressar suas opiniões sobre esse assunto em público.
O jornal menciona também diversas gafes cometidas pelo presidente, entre as quais a declaração de que a capital da Namíbia era tão limpa que "não parecia fazer parte de um país africano".
Ao "NYT", o Palácio do Planalto afirmou que não daria uma resposta formal "a acusações sem fundamento". Segundo a versão oficial, a história de que Lula bebe em excesso "é um misto de preconceito, desinformação e má fé".

Hábito de bebericar do presidente vira preocupação nacional

LARRY ROTHER
DO "NEW YORK TIMES", EM BRASÍLIA

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva nunca escondeu sua inclinação por um copo de cerveja, uma dose de uísque ou, melhor ainda, um copinho de cachaça, o potente destilado brasileiro feito de cana-de-açúcar. Mas alguns de seus conterrâneos começam a se perguntar se sua preferência por bebidas fortes não está afetando suu performance no cargo.
Nos últimos meses, o governo esquerdista de Da Silva tem sido assaltado por uma crise depois da outra, de escândalos de corrupção ao fracasso de programas sociais cruciais.
O presidente tem ficado longe do alcance público nesses casos e tem deixado seus assessores encarregarem-se da maior parte do levantamento de peso. Essa atitude tem levantado especulação sobre se o seu aparente desengajamento e passividade podem de alguma forma estar relacionados a seu apetite por álcool. Seus apoiadores, entretanto, negam as acusações de excesso de bebida.
Apesar de líderes políticos e jornalistas falarem cada vez mais entre si sobre o consumo de bebidas de Da Silva, poucos estão dispostos a expressarem suas suspeitas em público ou oficialmente. Uma exceção é Leonel Brizola, líder do esquerdista PDT, que foi companheiro de Lula na eleição de 1998, mas agora está preocupado que o presidente esteja "destruindo os neurônios de seu cérebro".
"Quando eu fui candidato a vice-presidente de Lula, ele bebia muito", disse Brizola, agora um crítico do governo, em um discurso recente. "Eu o avisei que bebidas destiladas são perigosas. Mas ele não me escutou e, de acordo com que estão dizendo, continua a beber."
Durante uma entrevista no Rio de Janeiro em meados de abril, Brizola argumentou sobre a preocupação que ele havia expressado a Da Silva e que o que ele dissera ter sido desconsiderado. "Eu disse a ele: "Lula, eu sou seu amigo e camarada, e você precisa controlar isso'", ele lembra.
"Não, não há perigo, eu tenho isso sob controle", Brizola lembra da resposta de Da Silva, imitando sua voz rouca. "Ele resistiu, ele é um resistente", Brizola continuou. "Mas ele tinha aquele problema. Se eu bebesse como ele, estaria frito."
Os porta-vozes de Da Silva recusaram-se a discutir oficialmente os hábitos de beber do presidente, afirmando que não iriam dar crédito a acusações infundadas com uma resposta oficial. Em uma breve mensagem por e-mail que respondia a um pedido de comentário, afirmaram que a especulação que Da Silva bebe em excesso como "uma mistura de preconceito, desinformação e má-fé".
Da Silva, um metalúrgico de 58 anos, mostrou ser um homem de apetites e impulsos fortes, o que contribui para seu apelo popular. Com um misto de compaixão e simpatia, os brasileiros têm assistido a seus esforços para não fumar em público, a seus flertes com atrizes em eventos públicos e à sua batalha contínua para evitar comidas gordurosas -que fizeram seu peso aumentar muito em pouco tempo desde que assumiu o cargo em janeiro de 2003.
Além de Brizola, líderes políticos e a mídia parecem preferir lidar com isso de forma mais sutil e indireta, mas com com um certo apetite. Sempre que possível, a imprensa brasileira publica fotos do presidente com os olhos avermelhados e as bochechas coradas e constantemente fazem referências tanto aos churrascos de fim de semana na residência presidencial, onde a bebida corre solta, como aos eventos oficiais onde Da Silva parece nunca estar sem um copo de bebida nas mãos.
"Eu tenho um conselho para o Lula", escreveu em março o crítico mordaz Diogo Mainardi, colunista da "Veja", a revista mais importante do país, enumerando uma lista de reportagens contendo referências ao hábito do presidente. "Pare de beber em público", ele aconselhou, acrescentando que o presidente tornou-se "o maior garoto-propaganda para a indústria da bebida" com seu notório consumo de álcool.
Uma semana depois, a mesma revista publicou uma carta de um leitor preocupado com o "alcoolismo de Lula" e seu efeito na habilidade do presidente de governar.
Apesar de alguns sites estarem reclamando de "nosso presidente alcoólico", foi a primeira vez que a grande imprensa nacional referiu-se a da Silva desta maneira.
Historicamente, os brasileiros têm razão para estarem preocupados com sinais de hábitos de abuso do álcool de seus presidentes. Jânio Quadros, eleito em 1960, foi um bebedor manifesto que um dia declarou: "Bebo porque é líquido".
Sua inesperada renúncia, menos de um mês após ter assumido -período considerado uma maratona de excessos- iniciou um período de instabilidade política que levou a um golpe de Estado, em 1964, e a 20 anos de uma rígida ditadura militar.
Independentemente se Da Silva tem um problema com bebida ou não, o tema tem se infiltrado na consciência pública e se tornado alvo de piadas.
Quando o governo gastou US$ 56 milhões no início do ano para comprar um novo avião presidencial, por exemplo, o colunista Claudio Humberto, uma espécie de Matt Drudge da política brasileira, fez um concurso para dar um apelido à aeronave. Uma das escolhas vencedoras, em alusão de que o avião presidencial americano é chamado de Força Aérea Um, sugeriu que o nome do jato de Da Silva deveria ser ""Pirassununga 51" -nome de uma marca popular de cachaça no Brasil.
Outra sugestão foi "Movido a Álcool", um trocadilho com o plano governamental de incentivar o uso de etanol em carros.
Especulação sobre os hábitos de bebida do presidente tem sido alimentada por várias gafes e passos em falso que ele tem feito em público. Como candidato, ele uma vez se referiu aos moradores de uma cidade considerada uma abrigo para os gays chamando-a de "pólo exportador de veados". Como presidente, suas escorregadas em público continuaram e se tornaram parte do folclore político brasileiros.
Numa cerimônia aqui em fevereiro para anunciar um grande investimento, por exemplo, Da Silva duas vezes se referiu ao presidente da General Motors, Richard Wagoner, como presidente da Mercedes-Benz. Em outubro, num dia em homenagem aos idosos do país, Da Silva disse a eles: "Quando vocês se aposentarem, não fiquem em caso aborrecendo sua família. Encontrem alguma coisa para fazer".
No exterior, Da Silva também tropeçou ou foi mal aconselhado. Em visita ao Oriente Médio no ano passado, ele imitou um sotaque árabe falando em português, inclusive com pronúncias erradas. Em Windhoek, na Namíbia, o presidente disse que a cidade parecia tão limpa que "não parece que está num país africano."
A equipe de Da Silva e seus simpatizantes respondem que esses escorregões são apenas ocasionais e previsíveis para alguém que gosta de falar de improviso e não tem nada a ver com seu consumo de álcool, que eles descrevem como sempre moderado. Para eles, Da Silva é visto de um padrão diferente -e injusto- com relação a seus antecessores porque ele é o primeiro presidente brasileiro vindo da classe trabalhadora e estudou apenas até a quinta série.
""Qualquer um que já tenha estado em recepções formais ou informais em Brasília testemunhou presidentes bebericando uma dose de uísque", escreveu recentemente o colunista Ali Kamel, no diário carioca "O Globo". ""Mas sobre o fato nada se leu a respeito dos outros presidentes, somente de Lula. Isso cheira a preconceito."
Da Silva nasceu em uma família pobre, num dos Estados mais pobres do país e passou anos liderando sindicatos de trabalhadores, um ambiente famoso pelo alto consumo de álcool. Relatos da imprensa brasileira têm repetidamente descrito o pai do presidente, Aristides -o qual ele pouco conheceu e morreu em 1978- como um alcólatra que maltratava suas crianças.
Histórias sobre episódios de beber envolvendo Da Silva são abundantes. Depois de uma noite na cidade onde ele fora membro do Congresso, no final dos anos 1980, Da Silva saiu do elevador no andar errado do prédio onde morava na época e tentou arrombar a porta de um apartamento que ele imaginava ser o seu, de acordo com políticos e jornalistas aqui, incluindo alguns que moravam no mesmo edifício.
""Sob Lula, a caipirinha virou "bebida nacional" por decreto presidencial", escreveu o diário Folha de S. Paulo no mês passado, em artigo sobre a associação de Da Silva com álcool e em alusão a um coquetel feito com cachaça.

sábado, maio 01, 2004

Diogo Mainardi Os revoltados a favor


1/5/2004

"Marcelo Coelho costuma atribuir-se
o tom cético de Montaigne. Pobre ceticismo
. Pobre Montaigne. Montaigne não tinha nada
do bom-mocismo conformista e pernóstico
de Marcelo Coelho"

Participo de um programa de TV, Manhattan Connection. Entrei no lugar de Arnaldo Jabor. Um amigo meu chamou Arnaldo Jabor de "revoltado a favor". Antes ele era revoltado a favor de Fernando Henrique. Agora é revoltado a favor de Lula. Continua revoltado. Continua a favor.

Pior que Arnaldo Jabor é Marcelo Coelho. Apesar de viver num "mundo cultural com pouquíssimos pontos de contato com o da maioria da população", sendo avesso a "TV, música popular e futebol", Marcelo Coelho, logo depois das eleições, encantou-se com o "jeito maroto" de Lula, sua "figura antiépica", sua "espontaneidade bem no estilo de Rebolo e Pennacchi". Para Marcelo Coelho, Lula finalmente tinha livrado a política "das teorias, dos programas, das discussões partidárias". Um ano depois, ele se desiludiu. Lula passou a encarnar a "didática pequeno-burguesa, travestida de sabedoria popular, que se desmancha em lágrimas de pura parvoíce". Lula mudou? Claro que não. Quem mudou foi Marcelo Coelho. Ele costuma atribuir-se o tom cético de Montaigne. Pobre ceticismo. Pobre Montaigne. Montaigne não tinha nada do bom-mocismo conformista e pernóstico de Marcelo Coelho. De hoje em diante, proíbo-o de citar Montaigne. Pode citar Habermas, se quiser.

A releitura do que se publicou na imprensa no período eleitoral deveria ser matéria obrigatória em todas as faculdades de jornalismo. Janio de Freitas saudou a eleição de Lula como um triunfo do humanismo sobre a tecnocracia, abrindo a esperança de um futuro melhor. Eliane Cantanhêde considerou a vitória de Lula "um marco de mudança, esperança, justiça, moralidade e igualdade". O militante petista Luis Fernando Verissimo comemorou o fim do clientelismo e do fisiologismo dos tucanos, que se comportavam como "caddies miseráveis que adotam os hábitos dos ricos para os quais carregam o saco de golfe". Antonio Candido viu o começo de uma "fase redentora na vida nacional", em que a utopia se tornaria realidade. Essa gente acreditou mesmo no PT? Em todos esses anos de convívio eles nunca desconfiaram da inépcia e da falta de idéias dos dirigentes do partido? Era tão difícil assim perceber a impostura?

Quem também me espanta são esses retardatários que demoraram mais de um ano para descobrir que Lula é iletrado e não gosta de ópera. É pouco. É atenuar o problema. Falta de cultura virou um álibi para a palermice do governo. E o governo dá provas diárias de palermice. Na última semana, Lula prometeu diminuir a criminalidade alistando futuros traficantes nas Forças Armadas. Depois das cotas para negros nas universidades, ele quer esse outro tipo de cota nos quartéis. Como o recruta fará para demonstrar que é um traficante potencial? Basta um antepassado traficante ou ele próprio precisa ter passagens pela polícia?

Um dos poucos jornalistas que não se desiludiram com Lula foi o Ratinho. A recompensa por sua seriedade foi uma entrevista com o presidente. Eu sou menos sério que o Ratinho, mas também gostaria de entrevistar Lula. Vou ligar agora mesmo para seu assessor de imprensa, tentando marcar uma hora.

Arquivo do blog